COI manifesta apoio a Londres

O presidente do COI, o belga JacquesRogge, escreveu de Cingapura ao primeiro-ministro da Inglaterra,Tony Blair, e ao prefeito de Londres, Ken Livingston, para expressar"seu apoio e pesar" devido aos atos "trágicos" na capital britânicanesta quarta-feira. "Não temos muita informação e não queremos fazer especulações,mas por isso entendemos que estes atos não estão relacionados àescolha de Londres (na quarta-feira) como sede dos Jogos Olímpicos",disse a porta-voz daentidade, Giselle Davies. A porta-voz do Comitê Olímpico Internacional (COI), que ébritânica, disse que os membros da candidatura de Londres aos JogosOlímpicos de 2012 que ainda estão em Cingapura, onde acontece aassembléia do COI, estavam sendo "extremamente úteis" para mantê-losinformados, em contato direto com a polícia metropolitana. Davies disse que as explosões em Londres vieram ao conhecimentona reunião em que se decidia a expulsão do búlgaro Ivan Slavkov.Assim que a votação terminou, Rogge foi informado e convocou umareunião em seu escritório, com a presença de representantes dacandidatura e de onde escreveu a Blair e Livingston. As explosões registradas no metrô e em um ônibus em Londrescausaram um grande impacto no Centro de Convenções de Cingapura,onde há menos de 24 horas Londres foi escolhida como sede dos JogosOlímpicos de 2012. Enquanto os membros do COI faziam uma reunião a portas fechadaspara discutir o caso Slavkov, todos os delegados sem direito adecidir nesta questão - membros de comitês olímpicos nacionais e defederações internacionais, representantes das cidades organizadorasdos próximos Jogos, pessoal do COI - e as centenas de jornalistasque estão em Cingapura se reuniram em frente aos telões gigantes docentro de imprensa para acompanhar as notícias. A quarta-feira foi o grande dia de Londres em Cingapura, onde aassembléia olímpica escolheu a capital britânica como sede dos JogosOlímpicos de 2012 após uma votação fechada. Londres ganhou de Parispor 54 a 50 após quatro eliminatórias, nas quais foram caindosucessivamente Moscou, Nova York e Madri.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.