Reuters
Reuters

COI pede explicações aos russos sobre a polêmica lei que proíbe a apologia da homossexualidade

A lei foi aprovada em junho, levando alguns grupos a proporem um boicote à Olimpíada de Inverno

Reuters

09 de agosto de 2013 | 18h41

MOSCOU - A Rússia precisa explicar como irá implementar uma polêmica lei que proíbe a apologia da homossexualidade, além de detalhar qual será o impacto da legislação sobre a Olimpíada de Inverno de 2014, em Sochi, disse nesta sexta-feira o presidente do Comitê Olímpico Internacional (COI), Jacques Rogge. O COI quer esclarecimentos apesar de já ter recebido dos organizadores do evento garantias de que atletas e outros participantes não serão afetados, segundo Rogge.

A lei foi aprovada em junho, levando alguns grupos a proporem um boicote à Olimpíada de Inverno. O presidente dos EUA, Barack Obama, manifestou preocupação com as restrições, e o porto-riquenho Richard Carrion, candidato a presidente do COI, criticou duramente a legislação. Rogge foi a Moscou, que a partir deste sábado recebe o Mundial de Atletismo, para uma reunião do Comitê Executivo do COI com dirigentes da Iaaf, entidade máxima do atletismo mundial.

O dirigente belga disse que o COI precisa de esclarecimentos sobre a tradução da lei para o inglês. "Recebemos todas as garantias por parte do sr. Dmitry Kozak, encarregado de organizar os Jogos em Sochi. Pedimos confirmação por escrito dessas garantias", disse Rogge, ao lado do presidente da Iaaf, Lamine Diack, em entrevista coletiva. "Nós as recebemos nesta quinta, as estudamos nesta manhã de sexta, mas ainda há incertezas e decidimos pedir mais esclarecimentos. Então, estamos esperando esse esclarecimento antes de termos um julgamento sobre tais garantias."

Na quinta-feira, o ministro russo dos Esportes, Vitali Mutko, e Diack disseram não haver motivo para achar que a nova lei afetará de alguma forma o Mundial de Atletismo, de 10 a 18 de agosto. Mutko disse que "é claro que é preciso respeitar as leis do país onde você está", mas afirmou que a Constituição da Rússia se sobrepõe à lei ao garantir a privacidade das pessoas.

Notícias relacionadas
Tudo o que sabemos sobre:
mundial de atletismoRio 2016COI

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.