Jean Christophe Bott/ EFE
Jean Christophe Bott/ EFE

COI promete 'tolerância zero' após acusações de doping no atletismo

Imprensa europeia denunciou escândalo e medalhistas suspeitos

Estadão Conteúdo

03 Agosto 2015 | 09h37

O Comitê Olímpico Internacional (COI) tomará medidas contra qualquer medalhista olímpico que for considerado culpado de doping, disse nesta segunda-feira o seu presidente, Thomas Bach, na sequência das últimas acusações envolvendo o atletismo. Investigar as denúncias é a tarefa da Agência Mundial Antidoping (Wada, na sigla em inglês), indicou Bach.

Dois meios de comunicação disseram nos últimos dias que um terço das medalhas de provas de resistência em campeonatos olímpicos e mundiais entre 2001 e 2012 foram para atletas com resultados suspeitos em seus exames antidoping. "Se houver casos relacionados com resultados em Jogos Olímpicos, o COI agirá com tolerância zero com a nossa política de costume", disse Bach.

A emissora de TV alemã ARD e o jornal britânico The Sunday Times disseram que tiveram acesso aos resultados de 12 mil análises de sangue de 5 mil atletas. A informação deriva da base de dados da Associação Internacional de Federações de Atletismo (IAAF, na sigla em inglês), segundo esses órgãos de imprensa.

INVESTIGAÇÃO

A investigação indica que 800 atletas tiveram análises com resultados que são considerados suspeitos pelos padrões da Wada. Desses, 146 seriam medalhistas, incluindo 55 de ouro, de acordo com esses dados.

Além disso, o Sunday Times afirma que dez medalhas de ouro dos Jogos Olímpicos de Londres, em 2012, foram para atletas com resultados suspeitos, e que, em algumas finais, todos que chegaram ao pódio tiveram resultados duvidosos em suas análises de sangue.

O COI retirou anteriormente medalhas de atletas que foram considerados culpados de modo retroativo por uso de substâncias proibidas no período de realização dos Jogos. O comitê também ordena o armazenamento de amostras de exames antidoping por dez anos, para o caso de serem necessárias a realização de novos testes. "Temos plena confiança na investigação da Wada", disse Bach. "Se houver falta, seguiremos o seu exemplo. E vamos fazer de tudo para proteger os atletas limpos".

Bach disse que conversou com o presidente da Wada, Craig Reedie, sobre as acusações de doping. "Deixamos muito claro e estamos de acordo que a Wada é a nossa entidade competente na luta contra o doping e que irá investigar estas acusações," disse Bach, em uma entrevista coletiva em Kuala Lumpur. "Mas nesse momento não temos nada além das acusações. Devemos respeitar a presunção de inocência dos atletas. Estamos ansiosos para receber o relatório preparado pela Wada", concluiu o comandante do COI.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.