COI reforça parceria com Interpol para coibir corrupção no esporte

Entidade vai monitorar cada padrão suspeito nas apostas realizadas durante os próximos Jogos Olímpicos, no Rio de Janeiro

Estadão Conteúdo

09 Setembro 2014 | 16h13

O Comitê Olímpico Internacional (COI) está ampliando sua parceria com a Interpol para combater os casos de manipulação de resultados e apostas ilegais e coibir a corrupção no esporte. As duas entidades se reuniram nesta terça-feira, em Lausanne, na Suíça, para discutir a proposta de trabalho, iniciada em janeiro, quando assinaram um acordo de cooperação.

Na reunião do presidente do COI, Thomas Bach, com o secretário-geral da Interpol, Ronald Noble, as duas partes discutiram "os riscos relacionados à manipulação nas competições, sistemas inteligentes para busca de informação, a condução das investigações e procedimentos legais", revelou Bach.

O dirigente do COI aproveitou a oportunidade para convocar governantes, autoridades policiais e responsáveis pela legislação de apostas para se juntar ao esforço de conter a manipulação de resultados.

Recentemente, o COI criou um sistema inteligente para coibir apostas ilegais. Ele vai monitorar cada padrão suspeito nas apostas realizadas durante os próximos Jogos Olímpicos, no Rio de Janeiro, em 2016, e também em outros eventos esportivos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.