AO VIVO

Confira tudo sobre a Copa do Mundo da Rússia 24 horas por dia

COI retira 3 ouros do Casaquistão no levantamento de peso em Londres por doping

Reanálise de exames detectarem a presença de esteroides

Estadão Conteúdo

27 Outubro 2016 | 12h22

Três atletas do levantamento de peso do Casaquistão tiveram retiradas suas medalhas de ouro conquistadas nos Jogos Olímpicos de Londres, em 2012, depois de a reanálise dos seus exames antidoping detectarem a presença de esteroides. As pesistas casaques estão em um novo grupo de atletas sancionados pelo Comitê Olímpico Internacional (COI) nesta quinta-feira.

Zulfia Tchinchanlo, Maia Maneza e Svetlana Podobedova perderam as medalhas de ouro que haviam ganho nas divisões até 53 quilos, até 63kg e até 75kg, respectivamente. Todas testaram positivo para o esteroide estanozolol com a amostra de Chinshanlo também contendo oxandrolona.

Também nesta quinta-feira, Marina Shkermankova, uma pesista da Bielorrússia, foi despojada de sua medalha de bronze na categoria até 69kg. Outro dois atletas do levantamento de peso do país, além de um russo do lançamento de martelo e outro do salto com vara foram desclassificados, ainda que nenhum deles tenha conquistado medalhas.

As punições para atletas do levantamento de peso bielorrussos e do Casaquistão vão desencadear uma punição automática aos dois países de participarem de competições internacionais do esporte por causa das regras da federação que impõem automaticamente esse sanção se pelo menos três competidores de um país falharem na reanálise de exames antidoping da Olimpíada.

O COI disse que um caso contra um lutador russo que ganhou uma medalha de prata não prosseguirá porque ele morreu em um acidente de carro há três anos. A comissão disciplinar do COI esclareceu que o resultado de Besik Kudukhov será mantido porque não pode pronunciar-se sobre casos de doping envolvendo mortos. "A situação não é satisfatória, uma vez que implica que os resultados olímpicos que provavelmente teriam de ser revistos permanecerão sem correção", observou.

As amostras de exames antidoping são armazenadas pelo COI durante um período de dez anos para que possam ser novamente analisadas quando os métodos de análise melhorarem.

O COI registrou um total de 98 casos positivos nas últimos reanálises de amostras dos Jogos de Londres e de Pequim-2008, com quase metade dos casos sendo no levantamento de peso, o que deixa o esporte sob questionamento. Em um evento da Olimpíada de 2012, seis dos dez primeiros colocados testaram positivo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.