Franck Robinchon / EFE
Franck Robinchon / EFE

AO VIVO

Confira tudo sobre a Copa do Mundo da Rússia 24 horas por dia

COI se diz confiante em reduzir casos de doping nos Jogos de Tóquio-2020

Vice-presidente do COI afirma que orçamento da próxima Olimpíada pode ser reduzido em 1 bilhão de dólares (R$ 3,3 bilhões)

Estadão Conteúdo

13 Dezembro 2017 | 11h58

O Comitê Olímpico Internacional (COI) demonstrou confiança nesta quarta-feira em reduzir os casos de doping nos Jogos Olímpicos de Tóquio, em 2020. John Coates, um dos vice-presidentes da entidade, se manifestou sobre o assunto oito dias depois de o COI banir a Rússia da Olimpíada de Inverno de Pyeongchang, na Coreia do Sul, em fevereiro de 2018, em razão dos seguidos casos de doping.

+ Tetra da Volta da França, Chris Froome é flagrado em exame antidoping

+ Comitê russo aprova participação de atletas como neutros nos Jogos de Inverno

Coates aposta na legislação local, reforçada nos últimos meses, para conter as infrações por doping. "Vocês legislaram com o Parlamento para fortalecer seu regime antidoping. Então, não acho que vocês precisam ter medo de qualquer situação nesta área", declarou o dirigente, em visita ao Japão.

Coates fez a declaração no terceiro e último dos três dias de visita ao país para avaliar a preparação de Tóquio para o grande evento marcado para 2020. E o tema "doping" foi um dos principais assuntos discutidos, principalmente depois da suspensão da Rússia, anunciada no dia 5.

Na avaliação do vice-presidente do COI, o Japão atendeu todas as exigências para fornecer um laboratório antidoping de credibilidade a ser usado durante a Olimpíada. "Não podemos relaxar quanto a este tema, mas vocês certamente assentaram as bases para a criação de um sistema antidoping que será de alto nível nos próximos anos", declarou.

ORÇAMENTO

Coates afirmou nesta quarta que o orçamento dos Jogos de Tóquio-2020 pode sofrer mais um corte, na ordem de US$ 1 bilhão (cerca de R$ 3,3 bilhões). Atualmente espera-se gastar US$ 12 bilhões (quase R$ 40 bilhões) na preparação para a Olimpíada.

A meta é seguir reduzindo os custos, de acordo com a Agenda 2020, elaborada pelo COI para diminuir cada vez mais os gastos na preparação das sedes das Olimpíadas. No caso de Tóquio, a organização está transferindo modalidades para estruturas já existentes, com a meta de evitar a construção de novos equipamentos esportivos. Uma segunda versão do orçamento deve ser anunciada ainda neste mês.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.