COI se reunirá com liderança da luta após exclusão da modalidade

Esporte é disputado é disputado desde a primeira edição dos Jogos Olímpicos, em 1896

AE-AP, Agência Estado

13 de fevereiro de 2013 | 14h49

LAUSANNE - O presidente do Comitê Olímpico Internacional (COI), Jacques Rogge, revelou nesta quarta-feira que vai se reunir com o chefe da Federação Internacional de Luta (Fila, na sigla em francês) para discutir formas como o esporte pode fazer para se manter no programa dos Jogos Olímpicos de 2020.

O Conselho Executivo do COI retirou o esporte da Olimpíada na última terça-feira. A decisão, que ainda deve ser ratificada pelo comitê em setembro durante sua assembleia geral, tem sido amplamente criticada por organizações de luta livre ao redor do mundo. Além disso, foi considerada surpreendente, pois o esporte é disputado desde a primeira edição dos Jogos Olímpicos, na cidade de Atenas, em 1896.

Rogge disse nesta quarta-feira que foi procurado por Raphael Martinetti, o presidente da Fila, e vai se encontrar com o dirigente. "Nós concordamos em nos reunir na primeira oportunidade para discutirmos", disse, após fim da reunião de dois dias do conselho. "Eu devo dizer que a Fila reagiu bem a esta notícia desanimadora para eles. Eles prometeram adaptar o esporte e prometeram lutar para ser eventualmente incluídos no programa de 2020".

A luta, que permanece no programa para os Jogos Olímpicos de 2016, no Rio, ainda tem uma chance de ficar na lista para 2020, se conseguir convencer o COI a reverter a decisão do conselho. Além disso, a luta vai se juntar a outros sete esportes na tentativa de entrar no programa dos Jogos de 2020: uma proposta combinada de beisebol e softbol, caratê, squash, patinação artística, escalada, wakeboard e kung fu.

O Conselho Executivo do COI vai se reunir em maio, em São Petersburgo, na Rússia, para decidir qual esporte ou esportes poderão ser incluídos no programa de 2020. A votação final será feita na Assembleia Geral do COI em setembro, em Buenos Aires.

"A votação de ontem não é uma eliminação da luta dos Jogos Olímpicos", disse Rogge. "A luta vai participar dos Jogos no Rio. Para os atletas que treinam agora, eu digo: ''Continuem a treinar para a sua participação no Rio. Sua federação está trabalhando para a inclusão nos Jogos de 2020''", afirmou.

Para tomar a decisão, o COI analisou mais de três dezenas de critérios, incluindo audiências de TV, venda de ingressos, políticas antidoping, participação global e popularidade. Os últimos esportes que tinham sido removidos da Olimpíada foram beisebol e softbol, em votação realizada pelo comitê em 2005. Assim, eles estão fora desde os Jogos de Pequim, em 2008. Enquanto isso, golfe e rúgbi entrarão no programa da edição de 2016 da Olimpíada, no Rio.

Tudo o que sabemos sobre:
OlimpíadaCOIlutaJacques Rogge

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.