COI veta Olimpíada no Brasil

O Brasil, assim como qualquer outro país latino-americano ou africano, terá que esperar ainda vários anos para poder sediar uma Olimpíada. O presidente do Comitê Olímpico Internacional (COI), Jacques Rogge, afirmou que se recusa a comprometer a qualidade e a segurança do evento apenas para prestigiar um determinado país ou mesmo para respeitar uma rotatividade entre os continentes.Sempre vamos priorizar a qualidade da organização do evento e não posso dizer quando os países latino-americanos e africanos terão a oportunidade de sediar uma Olimpíada", afirmou Rogge, que ocupa a presidência do COI desde julho do ano passado. Segundo ele, o problema é que a América Latina e a África ainda estão lutando para ter a infra-estrutura necessária para sediar um evento desse porte.Além disso, precisariam mostrar que podem cumprir as exigências tecnológicas e de segurança. "Esses são as exigências básicas. Se os países em desenvolvimento não podem oferecer segurança, não terão os Jogos", avisou o dirigente máximo do COI.EstabilidadeRogge ainda lembra que a estabilidade política e econômica é fundamental para sediar uma Olimpíada. "Buenos Aires era uma das candidatas para os jogos de 2004 e o ex-presidente argentino, Carlos Menem, declarava que garantia que o país conseguiria sediar o evento. Hoje, estamos vendo em que situação está a Argentina e imagine em que situação complicada estaríamos agora se houvéssemos escolhido Buenos Aires para sediar a Olimpíada", avaliou o presidente da entidade.Rogge, que se diz favorável à "universalização" dos Jogos, é contrário à proposta de uma rotatividade obrigatória entre os continentes, como a que a Fifa estuda para a Copa do Mundo. "Uma Olimpíada é muito mais complexa que uma Copa de futebol. Precisamos do mínimo de garantias e não vamos sacrificar uma geração de atletas para dar o evento a um continente. Os Jogos não são para o prestígio de um país, mas para os atletas", explicou o dirigente.DesigualdadeOs números evidenciam a falta de universalização dos Jogos Olímpicos. Só a França foi sede de cinco olimpíadas, enquanto o México, na década de 60, foi o único país da América Latina a realizar o evento nos mais de 100 anos do COI.Apesar de não saber quando os países pobres poderão ser escolhidos para sediar os Jogos Olímpicos, Rogge disse que cada vez que uma cidade de um desses países apresenta uma candidatura, como a do Rio de Janeiro, as propostas são melhores e mais sólidas.MudançasRogge ainda anunciou que defende uma reforma da Olimpíada. "Temos que rever a forma dos Jogos", reconheceu. A idéia é de que não haja mais de 28 modalidades esportivas e que seja estabelecido um limite para a participação.Em 2000, 10,5 mil atletas foram à Austrália. O problema é que existem 15 modalidades que pedem para ser incluídas no evento e a decisão será tomada em novembro.

Agencia Estado,

09 de janeiro de 2002 | 17h55

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.