COL espera atrair 100 mil voluntários

Foram abertas inscrições para os interessados em trabalhar na Copa das Confederações, no sorteio e no Mundial de 2014

TIAGO DÉCIMO / SALVADOR, O Estado de S.Paulo

22 de agosto de 2012 | 03h06

Um evento realizado na manhã de ontem em Salvador, com a presença dos ex-jogadores Bebeto e Ronaldo, marcou o início das inscrições para voluntários dos eventos Fifa no Brasil, como a Copa das Confederações e o sorteio dos grupos da Copa do Mundo, no ano que vem, e a Copa do Mundo de 2014.

As inscrições podem ser feitas no site da Fifa (www.fifa.com) e os únicos requisitos para se candidatar são completar 18 anos até três meses antes do evento escolhido e ter disponibilidade de tempo, tanto durante os eventos quanto para as fases de capacitação e treinamento.

Serão escolhidas 7 mil pessoas para atuar na Copa das Confederações e 15 mil para trabalhar na Copa do Mundo. Dependendo do evento e da sede, serão até 27 as áreas de atuação dos voluntários, como suporte a visitantes nas áreas de competição, serviços médicos, alimentação, transporte e hospitalidade.

O Comitê Organizador Local (COL) espera atrair 100 mil candidatos às vagas. O prazo de inscrições durará pelo menos 15 dias. Caso a meta não seja alcançada, o prazo será estendido por novos períodos de 15 dias, até que o montante seja alcançado. A partir daí, será realizada uma fase de seleção.

Etapas. A capacitação das equipes será realizada em duas etapas, a primeira via internet, com previsão de realização em dezembro, e a segunda, de treinamento específico, que vai ocorrer entre abril e maio de 2013, segundo o cronograma. "Nosso cenário é ter pessoas começando a trabalhar nos estádios em 15 de maio", diz o gerente de Voluntariado do Comitê Organizador, Rodrigo Hermida.

Os voluntários receberão, além da capacitação, uniformes, auxílio-transporte e alimentação, mas não terão remuneração pelo trabalho. Apesar disso, a expectativa do COL é montar rapidamente o banco de dados de candidatos no País. "É motivo de orgulho, as pessoas vão falar para os filhos, os netos e os bisnetos que trabalharam na Copa do Mundo do Brasil", justifica o governador baiano, Jaques Wagner.

Campeão mundial em 2002, Ronaldo diz que a participação dos voluntários nos eventos é tão importante quanto a competição na Copa do Mundo. "O sucesso da Copa depende da participação e do envolvimento da população", afirma. "E a gente quer mostrar a cara do povo brasileiro, nossa alegria, nosso respeito e nossa hospitalidade."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.