Divulgação
Divulgação

Com provocações e casa cheia, vôlei masculino bate Argentina no Pan

Na última rodada da 1ª fase, Brasil faz 3 sets a 0

PAULO FAVERO, Enviado Especial a Toronto, Estadão Conteúdo

21 de julho de 2015 | 17h10

Em clima de estádio de futebol e com a torcida lotando o ginásio do Exhibiton Centre em Toronto, a seleção brasileira masculina de vôlei venceu a Argentina por 3 sets a 0, com parciais de 29/27, 25/21 e 25/22, em jogo de muita rivalidade, pela última rodada da fase de grupos dos Jogos Pan-Americanos. Teve catimba, reclamação dos dois lados e provocações, com direito à virada no final. "A gente soube levar na calma e não perdemos a força", afirmou o levantador Murilo.

Ele conta que a geração dos atletas que está no Pan conhece bem os argentinos. "Enfrentamos muito eles nas categorias de base. São seis anos consecutivos e existe uma rivalidade grande, mas nós sabemos usar isso a nosso favor", continuou o atleta.

Com 17 acertos, Renan foi o maior pontuador do Brasil, que com a vitória garante a primeira posição do grupo, ganha dois dias de descanso e aguarda seu adversário na semifinal. "O Rubinho sempre fala para a gente não cair nas provocações. Eles fazem isso, ficam olhando. Desde 2007 a gente enfrenta a maioria deles", comentou o atleta, que tem 2,17 metros de altura.

No primeiro set, o equilíbrio deu o tom do duelo até os últimos pontos. A partida empatou em 24 a 24, os dois times tentavam abrir dois pontos para vencer, mas foi o Brasil que teve tranquilidade para fechar em 29 a 27, em 36 minutos.

No período seguinte, a Argentina caiu um pouco de rendimento e o Brasil soube aproveitar. Abriu vantagem no marcador e com tranquilidade fez 25 a 21 em 28 minutos. No terceiro set, a seleção masculina de vôlei deixou os rivais na frente. Os argentinos abriram três pontos de vantagem, mas o Brasil se recuperou e fechou em 25 a 22.

Para o técnico Rubinho, a tendência é o time crescer na competição. "A equipe tem melhorado a cada partida. Contra a Argentina, erramos muito pouco. O próximo jogo vai ser muito difícil, mas tudo serve de aprendizado para esses rapazes. Estamos trabalhando para ter novos jogadores no time de cima", avaliou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.