Com Dentinho, Corinthians vai de 3 atacantes contra Avaí

Necessidade de vencer é mais um dos motivos que deve levar o técnico Tite a escalar o jogador ao lado de Ronaldo e Iarley

Fábio Hecico, O Estado de S.Paulo

31 de outubro de 2010 | 00h00

A suspensão de Ralf, aliada à recuperação de Dentinho e a necessidade de vencer bem o Avaí, após triunfo do Fluminense (abriu três pontos e soma cinco gols a mais de saldo) pode tornar o Corinthians mais ofensivo para o duelo de quarta-feira, no Pacaembu, diante dos catarinenses. Ciente de que precisa de gols, o técnico Tite pode optar por um esquema com três atacantes: Ronaldo, Iarley e Dentinho, como o time jogava no primeiro semestre.

"Vamos ter o cuidado de tê-lo sim na quarta-feira", afirma o técnico Tite, ainda sem confirmar o retorno do atacante desde o início. Os trabalhos dos próximos dias mostrarão se vale a pena arriscar desde o começo do jogo diante de um rival em queda livre na tabela, mas que bateu o Corinthians no primeiro turno por 3 a 2, em Florianópolis.

Ronaldo, caso não se machuque ou sofra algum problema de última hora, já está escalado. "O meu objetivo é que ele jogue os 90 minutos dos próximos seis jogos", enfatiza o treinador, contando com a presença de seu craque em toda a reta final de Campeonato Brasileiro, algo inédito no Corinthians. Sua maior sequência no clube foi de sete partidas.

Tite está encantado com o futebol do Fenômeno. "É muito fácil falar de Ronaldo. De duas bolas que vão para ele, duas ele vai fazer. Entra duas bolas para ele fazer o passe, duas ele vai deixar (o jogador) na cara do gol. Ele ajuda muito", rasga sedas. "Quando você vê um jogador com os títulos que ele teve e com as adversidades pelas quais passou, pega um clássico a 42 minutos do segundo tempo e ele faz um desarme porque o William Morais perdeu uma bola. Isso é um ato simbólico de espírito e de gostar de vencer. Isso passa para o garoto mais jovem uma mensagem. É bom quando ele está do nosso lado."

Ronaldo escalado, volta de Dentinho confirmada e Iarley ainda prestigiado pelo treinador. Tite não acha correto tirar o atacante, que na hora mais crítica do Alvinegro na competição estava sempre disposto a ajudar. Ao que tudo indica, o time vai resgatar o esquema que deu certo com o técnico Mano Menezes, um trio ofensivo, exigindo com isso mais participação de todos na marcação.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.