Christophe Petit-Tesson / EFE
Christophe Petit-Tesson / EFE

Com festa em Paris, esloveno Tadej Pogacar confirma o título da Volta da França

Na véspera do aniversário de 22 anos, ciclista se torna o vencedor mais jovem da prova nos últimos 80 anos

Redação, Estadão Conteúdo

20 de setembro de 2020 | 18h40

A 21.ª e última etapa da Volta da França, a mais tradicional prova de ciclismo de estrada do mundo, coroou neste domingo o esloveno Tadej Pogacar. Com 21 anos - vai completar 22 nesta segunda-feira - o ciclista da equipe Emirates confirmou o seu título ao completar o percurso plano até a chegada na avenida Champs Élysées, em Paris. Ele havia surpreendido no dia anterior ao conseguir inverter, no contrarrelógio de 36 km, a vantagem de 57 segundos do compatriota Primoz Roglic, da Jumbo Visma, e colocar 59 segundos de vantagem para se tornar o segundo mais jovem vencedor da história (e o mais jovem dos últimos 116 anos).

"Uma loucura. Estou muito feliz e quero agradecer os companheiros de minha equipe. Foi um tour realmente fantástico. Se eu tivesse ficado em segundo lugar, ou mesmo em último, já seria muito legal dizer que eu disputei a Volta da França. Mas cheguei ao topo do topo. Não tem alegria maior", disse Pogacar, com a camisa amarela dada ao líder, no pódio.

O esloveno também levou outras duas camisas: a de melhor ciclista jovem (até 25 anos, branca) e a de melhor montanhista (camisa branca com bolinhas vermelhas). A camisa verde, dada ao melhor entre os sprinters (pontos), ficou com o irlandês Sam Bennet, da Quick Step, que venceu a etapa deste domingo. A equipe campeã, pela quinta vez seguida, foi a Movistar e o mais combativo foi o suíço Marc Hirschi.

Como é tradicional, a última etapa é plana com chegada nos Champs Élysées. Assim, os atletas completam o percurso em bloco e sem diferença de tempo. Por isso, a disputa conta apenas para os velocistas. Já os ciclistas que disputam a classificação geral (por tempo, camisa amarela), quando entram nos arredores de Paris apenas passeiam, conversam entre si, tiram fotos e até bebem champanhe enquanto pedalam, o que já vale como início de brindes e festejos para o ciclista que entra nesta etapa como líder geral e apenas com uma obrigação: completar a prova, o que Pogacar fez com tranquilidade.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.