Reprodução
Reprodução

Com técnico Hoyama, brasileiras faturam prata inédita no Pan

Lin, Caroline e Ligia perdem final para as norte-americanas

PAULO FAVERO, Enviado Especial a Toronto, Estadão Conteúdo

21 de julho de 2015 | 20h45

A equipe formada por Lin Gui, Caroline Kumahara e Ligia Silva conquistou a medalha de prata no tênis de mesa dos Jogos Pan-Americanos de Toronto, feito inédito para a modalidade. Antes, o bronze nos Pans de Havana (1991) e Winnipeg (1999) tinha sido os resultados mais expressivos da equipe feminina no torneio.

O técnico da equipe, Hugo Hoyama, que tem 15 medalhas no Pan pelo tênis de mesa, elogiou suas atletas. "Nosso objetivo era subir ao pódio. Apesar da prata, elas fizeram história. Para mim, é uma equipe de ouro", afirmou, dizendo que não se sente ganhando uma 16.ª medalha. "Esse feito é das atletas."

Na busca pela medalha, o Brasil passou por Cuba e Peru ganhando de 3 a 0. Depois, nas quartas de final, eliminou a Colômbia pelo mesmo placar e superou nas semifinais Porto Rico por 3 a 1. Na decisão, diante dos Estados Unidos, uma seleção formada por três chinesas, acabou perdendo por 3 a 0.

No primeiro duelo da decisão contra as norte-americanas, a chinesa naturalizada brasileira Lin Gui (129ª do ranking mundial) enfrentou Jiaqi Zheng (sem ranking) e perdeu por 3 sets a 1 (7/11, 11/9, 11/6 e 11/8). Na sequência, Caroline Kumahara (154ª) encarou Lily Zhang (94.ª) e perdeu nos detalhes por 3 sets a 2 (11/3, 7/11, 11/4, 5/11 e 12/10). Nas duplas, Lin Gui e Ligia Silva (178.ª) pararam diante de Yue Wu (sem ranking) e Jiaqi Zheng por 3 sets a 0 (12/10, 11/6 e 11/8).

Ao final do duelo, as jogadoras choraram e ficaram emocionadas pela derrota. Para Hugo, é um resultado que vai dar experiência ao grupo para a sequência do trabalho. "Fico triste por elas, pois a gente queria o ouro. Batalhamos e perdemos nos detalhes. Que isso fique de lição e vamos continuar trabalhando."

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.