Daniel Smorigo/ WSL
Daniel Smorigo/ WSL

Com Jadson André na busca pelo bicampeonato, etapa em Noronha define campeão no domingo

Potiguar encara o marroquino Ramzi Boukhiam na Praia da Cacimba do Padre

Andreza Galdeano, enviada especial a Fernando de Noronha, O Estado de S.Paulo

15 de fevereiro de 2020 | 21h00

Jadson André avançou para as semifinais do Oi Hang Loose Pro Contest neste sábado ao superar Samuel Pupo na Praia da Cacimba do Padre, em Fernando de Noronha. Agora, o potiguar enfrenta o marroquino Ramzi Boukhiam na busca pelo bicampeonato inédito.

"Faltam duas baterias para conquistar este feito inédito, mas eu já quero avisar que estou muito feliz com a minha performance", comentou o surfista, que tem garantido, no mínimo, o valor de R$ 16 mil em premiação e mais 3.250 pontos no ranking da divisão de acesso do Circuito Mundial, dado ao terceiro colocado da competição. Se levantar a taça, ele fatura R$ 65 mil.

 Na corrida para somar pontos, o surfista afirma estar satisfeito com o seu desempenho na primeira competição da temporada. "Este é o meu primeiro evento do ano e graças a Deus o ritmo está sendo bem forte. Na hora da pressão, estou conseguindo surfar bem".

Também na briga pelo título, os irmão Dantas se enfrentam na outra semifinal. Weslley Dantas superou Filipe Toledo e Wiggolly derrotou o havaiano Ian Gentil.

RECUPERAÇÃO

Durante os treinos em Fernando de Noronha, Jadson acabou se machucando e cogitou não participar da competição. Com o auxílio da equipe médica, o potiguar conseguiu se recuperar e ficar na briga pelo título.

"Fomos procurados no primeiro dia da competição para avaliar a situação do Jadson. Ele acabou caindo dentro de um tubo e, para proteger a cabeça, fez uma posição que machucou um lado do seu corpo", conta o médico do esporte Diogo Vilar. "Nós avaliamos e começamos um trabalho de terapia manual para tentar diminuir o desconforto, além dos medicamentos", explica.

No mesmo dia que recebeu o tratamento, Jadson contou ao médico que decidiu competir. "Agora ele pode ser bicampeão do evento", comenta Diogo , animado com a possibilidade de ver Jadson erguendo o troféu.

O trabalho de Diogo é realizado com o fisioterapeuta Daniel Monteiro. Eles dividem uma tenda na Praia da Cacimba do Padre e realizam os atendimentos dos surfistas. "Nós fazemos cerca de 25 atendimentos por dia. A maioria dos atletas nos procuram para relaxar e fazer trabalho de alongamento, já que essa praia exige muito deles", diz Daniel. "Posso dizer que tem sido muito gratificante ajudá-los. Eles sempre voltam para agradecer e contar que estão se sentindo melhor".

*A repórter viajou a convite da organização do evento

Tudo o que sabemos sobre:
surfeFernando de Noronha [PE]

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.