Daniel Zappe|MPIX|CPB
Daniel Zappe|MPIX|CPB

Com recorde mundial, atletismo soma 12 índices para Mundial Paralímpico

Alessandro Silva registra 44,66 m no lançamento de disco F11

Nathalia Garcia, O Estado de S. Paulo

22 de abril de 2017 | 20h50

Depois da medalha de ouro no lançamento de disco F11 (cegos totais) nos Jogos do Rio, Alessandro Silva continua colocando seu nome na história do esporte paralímpico. Neste sábado, o paulista registrou 44,66 m e quebrou o recorde mundial, que era do espanhol Alfonso Lopes-Fidalgo e perdurava desde 1998, no Open Internacional Loterias Caixa de Atletismo e Natação, no Centro de Treinamento Brasileiro, em São Paulo.

O resultado também garantiu Alessandro no Mundial Paralímpico de Atletismo de Londres, em julho. O atleta entrou para o esporte em 2013, quando conheceu o técnico Walter Agripino, e já mostrou potencial ao garantir o terceiro lugar em sua primeira competição. O novo recordista mundial ficou cego em decorrência de toxoplasmose, em 2009.

Neste sábado, doze brasileiros do atletismo atingiram o índice A – estabelecido pelo Comitê Paralímpico Brasileiro (CPB) – e garantiram vaga na principal competição da temporada. Nos 200 metros, Petrúcio Ferreira (T47) registrou a marca de 21s66, tempo que o coloca no topo do ranking mundial desta temporada, e assegurou a classificação. Na mesma bateria, Kesley Josué (T13 – baixa visão) cravou 22s06 e disputará o primeiro Mundial da carreira.

"Saí determinado hoje (sábado) para dar o meu melhor, vinha para correr para buscar esse índice e saiu. No aquecimento estava sentindo o tornozelo, mas falei para mim mesmo quando entrei na pista que aquela dor não ia existir. Ia ser o tiro da minha vida. Não saiu o meu melhor, mas estou treinando para isso", celebrou Petrúcio.

Quem também teve muito o que comemorar foi Mateus Evangelista, que estabeleceu o novo recorde brasileiro nos 200 metros da classe T37 ao obter 23s35 no cronômetro. "Minha corrida foi perfeita, a largada foi ótima e a aceleração também foi muito boa. Foi a melhor marca da minha vida. Tenho a melhorar ainda para o Mundial. Mas vou treinar mais relaxado e, estando mais tranquilo, vou melhorar com mais facilidade", projetou.

O atleta, que faturou a medalha de prata no salto em distância na Paralimpíada do Rio, passou a se dedicar mais à pista nos últimos meses e já tem colhido o fruto de sua dedicação. Ao seu lado na bateria dos 200 m, Rodrigo Parreira (T36) ficou mais perto do limite ao anotar 25s54, ainda assim, cumpriu o objetivo. Edson Pinheiro (T38) é outro classificado nos 200 metros.

Emerson dos Santos Lopes, João Luis dos Santos (ambos no lançamento de disco F46), Jonas Licurgo (lançamento de dardo F55), Paulo Henrique Andrade de Reis (salto em altura T13 – baixa visão), Ricardo Costa Oliveira (salto em distância T11) também garantiram o passaporte para o Mundial. Destaque ainda para Izabela Campos (lançamento de dardo F11) que, com 26,24 m, estabeleceu o novo recorde das Américas.

 

Tudo o que sabemos sobre:
AtletismoParalimpíada

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.