CBDA
CBDA

Com seis dias de atraso, CBDA comunica cancelamento de eleição

Assembleia geral ordinária que deveria acontecer no próximo sábado, no Rio

Demétrio Vecchioli, Estadao Conteudo

15 de março de 2017 | 15h14

A Confederação Brasileira de Desportos Aquáticos (CBDA) publicou no começo da tarde desta quarta-feira, em seu site, um aviso comunicando o cancelamento da assembleia geral ordinária que deveria acontecer no próximo sábado, no Rio. O documento, tornado público só agora, data de 9 de março.

A entidade explicou que cancelou a assembleia geral por decisão do juiz Leonardo de Castro Gomes, da 17.ª Vara Cível do Rio. Mas o magistrado, em decisão publicada no último dia 3 de março, apenas determinou o cancelamento da eleição presidencial que ocorreria durante a assembleia, mantendo a reunião que votaria, entre outras coisas, o calendário de competições e as contas do ano passado.

A eleição para definir o substituto de Coaracy Nunes foi cancelada pelo juiz em resposta à ação movida pelas atletas olímpicas Joanna Maranhão, da natação, e Camila Pedrosa, do polo aquático, e pelo ex-nadador Rodrigo Munhoz.

Ele ainda revogou a indicação de Thiago Pereira, João Felipe Coelho (polo aquático), Maria Clara Lobo (nado sincronizado), Hugo Parisi (saltos ornamentais) e Ana Marcela Cunha para formarem a Comissão de Atletas da CBDA. Os nomes foram escolhidos por Coaracy, como manda o estatuto.

Ao entender que a eleição para a formação da comissão de atletas deve ser direta, como manda a Lei Pelé, o juiz declarou nulo o artigo do Estatuto da CBDA que determina que o presidente indique os membros da comissão. Também condenou a CBDA a realizar eleições diretas, "através do voto direto dos próprios atletas, em conjunto com as entidades que os representem".

Por fim, decidiu que a CBDA não pode organizar eleições para diretoria ou membros do conselho fiscal, inclusive a que estava marcada para o próximo dia 18, "até que se regularize a Comissão Nacional de Atletas". A CBDA promete que cumprirá a decisão "com a maior brevidade possível".

A eleição tem duas chapas concorrendo à presidência. Uma, encabeçada por Miguel Cagnoni, ex-presidente da Federação Aquática Paulista (FAP), de oposição. O grupo que comanda a CBDA apostava em Ricardo de Moura, atual superintendente executivo, mas o nome dele apareceu ligado a diversas denúncias recentemente. Assim, o candidato apresentado pela situação é Sérgio Silva, presidente da Federação Baiana. Uma ação que tenta cassar a candidatura do baiano só será julgada pela Justiça depois que o imbróglio sobre a comissão de atletas for resolvido.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.