Com sete medalhas no atletismo, Brasil mantém ponta isolada no Chile

País já soma 126 medalhas (53 de ouro, 32 de prata e 40 de bronze)

Nathalia Garcia, enviada especial, O Estado de S. Paulo

13 de março de 2014 | 22h23

SANTIAGO - Ainda que não tenha faturado tantas medalhas nesta quinta-feira, o Brasil continua com folga na ponta do quadro dos Jogos Sul-Americanos, em Santiago. O País possui 126 medalhas (53 de ouro, 32 de prata e 40 de bronze) ao fim do dia. Já a briga pela vice-liderança está cada vez mais embolada e a Colômbia, com 88 medalhas, levou a melhor diante da Argentina - 83 medalhas - e da Venezuela, que tem 82.

Em seu primeiro dia de disputas, o atletismo somou sete conquistas. As medalhas de ouro vieram com Augusto Dutra no salto com vara ao passar pela marca de 5,40 metros e com Keila Costa no salto em distância, prova que também teve Jéssica Reis com a prata. No arremesso de dardo, Julio Cesar de Oliveira ficou com o segundo lugar. A prova dos 10.000 m rendeu duas medalhas ao Brasil. Giovani dos Santos conquistou a prata no masculino e Tatiele Carvalho, o terceiro lugar. A modalidade ainda teve o bronze de Érica Sena, na marcha 20 km.

O judô continuou dando a sua contribuição e foi ao pódio mais uma vez em todas as categorias disputadas. A prata de Bárbara Timo (até 70 kg) foi o melhor resultado do dia, enquanto Gustavo Assis (até 81 kg), Eduardo Costa (até 90 kg) e Renata Silva (até 78 kg) conquistaram as medalhas de bronze.

"Acho que eu fiz uma boa competição, mas tenho muito para evoluir. É muito bom chegar medalhando, mas o objetivo para essa competição era o ouro. Por um detalhe, ele saiu das minhas mãos", disse Gustavo Assis, que derrotou o uruguaio Alan Aprahamian por ippon para ficar com o bronze.

As meninas da canoagem mantiveram 100% da modalidade no Chile. O grande destaque do dia foi a paranaense Ana Paula Vergutz, que levou a medalha de ouro no K1 500m e a de prata, ao lado de Bruna Chicato, no K2 500m.

"Já faz algum tempo que estou me sentindo bem remando. A gente entra mais confiante quando sabemos que o trabalho está sendo bem feito. Mas, como não estávamos fazendo um pico para esse sul-americano, ficava um receio. Mesmo se sentindo bem, às vezes pode vir alguém e passar uma rasteira. Então, o desempenho aqui superou as expectativas", disse Ana Paula.

O tiro esportivo ganhou mais duas medalhas no segundo dia de competição da modalidade. Na carabina de ar, Bruno Heck confirmou o favoritismo na etapa final, não deu chances aos adversários e faturou o primeiro ouro. Já Stenio Yamamoto conquistou a prata na prova pistola 50m. Julio Almeida por muito pouco não ficou com o bronze, terminando na quarta colocação. O tiro com arco também deu a sua contribuição, Sarah Nikitin acabou na terceira posição no individual feminino.

Renzo Agresta não teve nenhuma dificuldade para conquistar o ouro no sabre com a vitória sobre Israel Vásquez na final. Tywilliam Guzenski foi eliminado nas quartas de final. Entre as mulheres, Gabriela Cecchini caiu nas quartas no florete, mesmo resultado de Tais Rochel. "Ganhei a final com um bom placar e dominando o jogo inteiro. A semifinal contra o venezuelano Jose Quintero foi mais difícil. Inclusive, nós dois éramos os favoritos, e ganhei", disse Renzo.

O ciclismo de pista voltou a mostrar evolução com o bronze de Flavio Vagner na prova de velocidade. Já o boliche completou o número de conquistas do dia com a prata da dupla masculina, formada por Renan Ferreira e Marcelo Suartz.

OUTROS ESPORTES

No vôlei de praia, Talita e Taiana atropelaram a dupla peruana por 2 sets a 0, parciais de 21/1 e 21/3. Depois, bateram as venezuelanas por duplo 21/8. No masculino, Emanuel e Pedro Solberg venceram os equatorianos por 2 sets a 0, com parciais de 21/15 e 21/6. Diante dos uruguaios, eles também ganharam por sets diretos (21/14 e 21/13).

A surpresa do dia foi o empate da seleção brasileira de handebol com a Argentina por 23 a 23. O resultado adiou o a decisão do ouro em Viña del Mar. O treinador Morten Souback mostrou preocupação com a atuação de sua equipe. "Fomos pegos de surpresa não pela Argentina, mas porque não conseguimos reproduzir o que tínhamos visto e combinado antes do jogo."

Disputado por pontos corridos, o campeonato está aberto depois de quatro rodadas. Brasil e Argentina estão empatados com sete pontos. Em caso de vitória dos dois no sábado, vale o saldo de gols. Por enquanto, o time de Morten possui 22 a mais que o rival. O futebol feminino fez a sua parte e se garantiu na semifinal como líder do Grupo B. O Brasil bateu a Colômbia por 2 a 1 e enfrentará a Argentina na próxima fase.

O tênis teve mais um dia cheio. Nas duplas mistas, Gabriela Cé e Bruno Sant'anna se garantiram na semifinal ao bater os rivais colombianos por 2 sets a 0, como duplo 6/4. Na simples, Rogerinho ganhou do colombiano Carlos Salamanca por 2 sets a 0, parciais de 6/2 e 7/6, e avançou à semifinal. No feminino, Paula Gonçalves passou pela chilena Daniela Seguel com 2 sets a 1 (3/6, 7/6 e 6/0). Mas Laura Pigossi acabou derrotada pela venezuelana Andrea Gamiz por 2 sets a 0 (6/3 e 7/5).

Por fim, o pugilista Julião Neto venceu o equatoriano Jose Sharup por 2 a 1 no peso-mosca. Everton Lopes fez 3 a 0 no venezuelano Yoelvis Hernandez, na categoria meio-médio ligeiro, e Roberto Custódio também ganhou do chileno Daniel Tapia pelo mesmo placar. Na categoria meio-pesado, Michel Borges aplicou 3 a 0 sobre o chileno Patricio Cerezo.

Tudo o que sabemos sobre:
Jogos Sul-Americanosatletismo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.