DGW Comunicação
DGW Comunicação

Com suspensão revogada, Feijão diz: 'Nunca aceitaria dinheiro para entregar jogo'

Brasileiro chegou a ser investigado sobre supostamente ter participado de apostas e manipulação de resultados, mas ele foi inocentado

Redação, O Estado de S.Paulo

08 de abril de 2019 | 23h33

Depois de ser suspenso no sábado e no dia seguinte ter a sua pena revogada pela Unidade de Integridade do Tênis (TIU, na sigla em inglês), o tenista brasileiro João Souza, o Feijão, comemorou nesta segunda-feira a decisão tomada pela entidade que investiga casos referentes a apostas e manipulação de resultados na modalidade.

Inicialmente, a TIU divulgou no último final de semana que o brasileiro estava provisoriamente suspenso por ter supostamente violado normas do Programa Anticorrupção no Tênis. Na ocasião, não detalhou o motivo da sanção, mas disse que a mesma estava em vigor desde o dia 29 de março.

No domingo, porém, a TIU revisou a sua decisão e acabou revogando a suspensão ao tenista, que chegou a ficar "proibido de competir ou mesmo comparecer a qualquer evento organizado ou reconhecido pelas entidades que comandam o tênis", conformou anunciou comunicado da entidade no sábado.

E nesta segunda-feira, por meio de um comunicado divulgado pela sua assessoria, Feijão veio a público para se manifestar sobre a polêmica envolvendo o seu nome. "Gostaria de comunicar que minha suspensão provisória foi revogada pela TIU, o Tennis Integrity Unit. É com muita alegria que recebi essa notícia. Nunca iria aceitar receber vantagens financeiras para perder uma partida, além de ser antiético, vai contra tudo que penso e coloco em prática na minha vida e carreira", afirmou o tenista.

Profissional desde 2006 e hoje ocupando o 404º lugar do ranking da ATP e o 12º da lista da Federação Internacional de Tênis (ITF, na sigla em inglês), Feijão teria sido acusado de ter vendido um resultado em uma partida válida pelo Challenger de Morelos, no México, na qual supostamente não se esforçou como deveria para vencer. Entretanto, ele fez questão de ressaltar que jamais tentou manipular o resultado de um confronto e avisou que dará continuidade na sua carreira.

"Sigo treinando firme e forte assim como vinha fazendo nas últimas semanas para voltar aos torneios como programado na próxima semana em San Luís Potosí, no México. Estarei aguardando a próxima orientação do TIU e a designação de data para eventual julgamento definitivo. Atenciosamente, João Olavo Souza, o Feijão", completou o jogador, que voltará a atuar no circuito profissional no dia 15 de abril.

No auge de sua trajetória no tênis, Feijão figurou no Top 100 da ATP em 2014 e 2015 e teve como seu melhor ranking o 69º lugar. E o atleta de 30 anos também entrou para a história da Copa Davis ao protagonizar o jogo mais longo da competição contra o argentino Leonardo Mayer, por quem acabou sendo derrotado por 3 sets a 2.

Feijão disputou a sua última partida do Challenger de Santiago, no Chile, no final do mês passado. Na ocasião, perdeu para o argentino Facundo Arguello por 2 sets a 1 e foi eliminado do torneio. Aplicada em 29 de março, a suspensão inicialmente imposta ao brasileiro só foi publicada no último sábado, mas foi retirada menos de 24 horas depois do site do comitê anticorrupção da TIU.

Tudo o que sabemos sobre:
João Souzatênis

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.