Com técnico interino, seleção feminina de handebol inicia nova fase nesta quarta

Atletas convocadas começam os treinamentos em São Bernardo do Campo

O Estado de S.Paulo

06 de junho de 2017 | 18h26

A partir desta quarta-feira, a seleção brasileira feminina de handebol inicia uma nova fase. Sob o comando do técnico interino Sérgio Graciano, 21 convocadas começam os treinamentos em São Bernardo do Campo (SP), de olho nos compromissos deste ano. Já neste mês, a partir do dia 18, a equipe disputa o Pan-Americano na Argentina, que vale vaga para o Mundial de dezembro, na Alemanha. Mas antes compete no Torneio Quatro Nações, que será desta sexta até domingo no ginásio Adib Moyses Dib, na cidade do ABC paulista, contra Chile, Portugal e República Dominicana.

A primeira convocação do treinador interino inclui atletas experientes, que já vinham fazendo parte das convocações nos últimos campeonatos pelo técnico dinamarquês Morten Soubak, e algumas que terão chance de mostrar serviço para se manter na equipe. "Nessa convocação inicial, temos experiência, com meninas que foram campeãs mundiais, renovação e, principalmente, valorização do trabalho interno das equipes do Brasil. Fazia tempo que não tínhamos na Seleção tantas atletas que jogam no País", destacou Sergio Graciano.

Com a diversidade de jogadoras, o treinador pretende implementar um planejamento diferente para chegar ao grupo que segue para a competição continental. "Vamos dividir as atletas em três grupos, um com as mais experientes e outros dois mais mesclados. Pretendo usar esse formato tanto nos treinos quanto no Quatro Nações. Acredito que, dessa forma, vou conseguir observar melhor cada jogadora".

Uma das atletas convocadas é a jovem Bruna de Paula, que apesar da pouca idade (20 anos), tem tido excelentes atuações pelo clube francês Fleury Loiret, tendo sido inclusive indicada como a melhor atleta estrangeira da Liga Francesa. Bruna acredita na força do grupo, mesmo com as mudanças por conta da saída de veteranas como a ex-capitã Dara e Daniela Piedade.

"Tenho uma expectativa muito boa, espero que possamos fazer uma ótima fase, assim vamos estar preparadas para o Pan, mesmo estando um tempo sem treinarmos juntas. Mas temos um bom grupo e podemos nos sobressair. Já trabalhei com o Daniel 'Cubano' (assistente técnico) e me identifico muito bem com o trabalho dele. Com Graciano e Cristiano ainda não trabalhei", disse a atleta.

Tudo o que sabemos sobre:
HandebolhandebolBrasilhandebol

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.