Tim Fuller/ USA Today Sports
Tim Fuller/ USA Today Sports

Com terceiro brasileiro confirmado, MLB começa neste domingo

Paulo Orlando se junta a André Rienzo e Yan Gomes na liga 

Rafael Pezzo, O Estado de S. Paulo

05 de abril de 2015 | 09h00

Neste domingo, começa uma nova temporada na Major League Baseball, a maior e mais rica liga da modalidade no mundo. Até 4 de outubro as 30 equipes, divididas entre Liga Americana e Liga Nacional, disputarão 162 jogos cada buscando uma vaga nos playoffs, em outubro, e na grande final, a World Series, em novembro.

O principal destaque para o público brasileiro é a possibilidade de três jogadores nascidos no país participarem da competição. André Rienzo foi colocado no time de baixo do Miami Marlins durante o Spring Training, a pré-temporada disputada em março. Porém, no ano passado ele disputou 18 jogos, 11 deles como titular, no Chicago White Sox, time do coração de Barack Obama, e pode voltar ao time principal. 

Depois de uma pré-temporada excelente, Paulo Orlando estreará pelo atual vice-campeão Kansas City Royals nesta segunda-feira. Desde 2005 jogando nas ligas menores, o jogador do campo central teve 33,3% de aproveitamento em rebatidas no Spring Training. Esse desempenho rendeu elogios do técnico Ned Yost na última semana, o que já dava indícios de que o brasileiro estaria no elenco principal.

O maior nome é Yan Gomes, receptor do Cleveland Indians há dois anos e classificado como um dos principais atletas do elenco. No ano passado, foi eleito o melhor jogador ofensivo de sua posição. "Fiquei muito emocionado, porque não esperava. Trabalhei muito desde 2012 e no final consegui um troféu que quando era criança só ouvia os grandes jogadores receberam", revela Yan. 

Com o bom rendimento, também vem maior reconhecimento dos fãs. Mas o catcher diz que "eu, o Rienzo e o Orlando não somos só jogadores da MLB. Somos jogadores brasileiros da MLB. Quando eu vou dar um autógrafo os caras falam 'ah, você é o primeiro brasileiro na MLB' e eu falo 'sou mesmo'. E com muito orgulho'".

Ainda sobre os compatriotas, Yan está confiante que os dois estarão nos ballparks em 2015. "Rienzo era para ser um dos melhores pitchers da liga. Ele precisa chegar nas ligas menores e ter confiança nos arremessos", analisa Gomes. Quanto a Paulo Orlando, o jogador de Cleveland não tem dúvida de que ele se destacará. "Orlando está evoluindo bem e está mostrando para o time dele que ele é um bom jogador."

ALÉM DOS BRASILEIROS

O San Francisco Giants concretizou uma dinastia no ano passado com três troféus em cinco anos (2014, 2012, 2010). Em 2015, a franquia da Califórnia tentará manter o rendimento vencedor, já que ficou fora da fase decisiva em 2011 e 2013. O técnico Bruce Bochy deverá lidar com algumas baixas, como a saída de Pablo Sandoval e a lesão de Hunter Pence, dois dos cinco melhores rebatedores de 2014.

O maior rival dos Giants, o Los Angeles Dodgers também tem um desafio a partir deste domingo. O clube foi comprado por um fundo investimentos há dois anos e desde então tem feito aquisições caras buscando o primeiro título desde 1988. Todo o dinheiro gasto tem dado ótimos resultados na temporada regular, mas caiu nos playoffs duas vezes seguidas para o St. Louis Cardinals, franquia muito mais modesta na questão financeira.

Com uma rotação de arremessadores dos sonhos, o Washington Nationals é um dos grandes favoritos ao troféu da World Series, o primeiro do time da capital americana. Na inter-temporada gastou US$ 210 milhões no pitcher Max Scherzer, mas, por outro lado, não trouxe grandes rebatedores. No ano passado teve a melhor campanha da Liga Nacional, mas foi eliminado pelos Giants.

Franquia mais vencedora e mais popular da MLB, o New York Yankees conta com a volta de Alex Rodriguez, suspenso por toda a última temporada pelo uso de anabolizantes. Apesar dos 39 anos, A-Rod tentará mostrar que ainda é influente no desempenho dos Yankees e lembrar a todos porque era considerado um dos melhores jogadores da história. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.