Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90
Ricardo Bufolin / Panamerica Press / ECP
Ricardo Bufolin / Panamerica Press / ECP

Com uma campanha invicta, Pinheiros é campeão brasileiro no handebol feminino

Equipe já havia conquistado o Campeonato Paulista deste ano sem perder um jogo sequer

Redação, Estadão Conteúdo

22 de dezembro de 2019 | 19h56

Uma campanha invicta e quase perfeita, com 12 vitórias e um empate, levou o Pinheiros ao título da Liga Nacional Feminina de Handebol, neste domingo, ao vencer a Unip São Bernardo por 21 a 18 (11 a 5 no primeiro tempo, no ginásio Henrique Villaboim, em São Paulo. É a segunda conquista do clube na principal competição do País. O Pinheiros também faturou o Campeonato Paulista deste ano sem perder um jogo sequer.

Líder da Conferência Sul/São Paulo, o Pinheiros adquiriu pela primeira vez o direito de ser a sede da fase decisiva, recebendo os outros cinco finalistas. Os times foram divididos em dois grupos de três, com os dois primeiros colocados decidindo o título. Concórdia-SC, bicampeão em 2017 e 2018, ficou com a medalha de bronze ao derrotar o Blumenau-SC por 21 a 14.

As medalhas de ouro e o troféu da Liga Nacional foram entregues às campeãs pelo diretor de handebol, Marcelo Portugal, e pelo diretor de esportes olímpicos e de formação do Pinheiros, Arnaldo Queiroz. "É um presente de fim de ano para todos nós. Nosso objetivo é formar o atleta, disputar os campeonatos e chegar às finais. O título é uma consequência, mas precisamos estar sempre nas cabeças", afirmou Queiroz, enaltecendo a capacidade formadora do Pinheiros.

O treinador Alex Aprile atribui a conquista à estrutura oferecida pelo clube à comissão técnica. "O mérito é das diretorias de esportes e de handebol, que nos deram condições para montar um grande time. O desafio agora é a manutenção da equipe para 2020". Sobre o jogo, elogiou a goleira pinheirense. "Naira foi a responsável por abrirmos logo no início, o que deu segurança ao time. Cometemos alguns erros por ansiedade, mas apesar dos riscos, controlamos a partida até o final".

A capitã Mayra considerou fundamental a sincronia do elenco, dentro e fora da quadra. "Eu já havia comentado no início do ano que este grupo estava muito conectado. Durante a caminhada tivemos várias respostas positivas que nos levaram a sonhar com os títulos. Saber que estamos classificadas para um torneio internacional é um estímulo a mais para 2020", projetou a central.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.