Começa a corrida para a Olimpíada de 2012

Foi dada a largada hoje para o que o Comitê Olímpico Internacional (COI) está chamando de "provavelmente a mais dura competição da história para sediar os Jogos Olímpicos". As cidades que pretendem receber o evento em 2012, entre elas o Rio de Janeiro, têm até a meia noite de hoje (15) para entregar seus documentos ao COI, em Lausanne, na Suíça, e oficializar suas candidaturas. Os cariocas terão que enfrentar uma dura competição nos próximos meses. Nova Iorque, Paris, Londres, Havana, Istanbul, Madri, Moscou e Leipzig prometem fazer de tudo para seduzir os membros do COI e, segundo a entidade, existem indícios de que o volume total de recursos gastos nas candidaturas pode ser o mais alto já registrado. Tanto interesse tem um motivo: os Jogos em Barcelona, em 1992, e o de Sidnei, em 2000, provaram que se bem organizadas, as Olimpíadas podem ser verdadeiras minas de ouro para os administradores locais. Nova Iorque, Paris e Londres estão apostando alto no evento. Os americanos, por exemplo, devem gastar US$ 3,2 bilhões para ter os Jogos, mas já anunciaram que o evento não custará um só centavo aos contribuintes locais e que todos os gastos serão cobertos por patrocínios. Os organizadores da candidatura americana também lançaram, hoje, uma linha de produtos com o logotipo "New York 2012". O que deverá pesar contra Nova Iorque é o problema do trânsito na cidade, o eterno temor de um ataque terrorista e a oposição de moradores de alguns bairros que seriam inteiramente reconstruídos para o evento. Outro obstáculo pode ser o fato de que outra cidade na América do Norte, Vancouver, tenha sido escolhida para sediar as Olimpíadas de Inverno em 2010. Já em Londres, que recebeu os jogos em 1908 e 1948, o governo garante que o apoio da população ao evento chega a 81%. A candidatura está sendo preparada desde 1997 e, apenas para a campanha estima-se que a cidade gaste US$ 25 milhões, além de outros US$ 4 bilhões em investimentos para o evento. Madri, que se diz a única grande capital européia a nunca ter recebido os Jogos, revelou que gastará US$ 7 milhões nos próximos dois anos para fazer sua campanha. O fato de Barcelona ter sediado o evento em 1992 pode ser um obstáculo à candidatura madrilenha. Mas a cidade que mais promete fazer investimentos é Paris, que já foi sede das Olimpíadas em 1900 e 1924. Segundo o Comitê Olímpico Francês, o custo dos jogos poderia ultrapassar US$ 6 bilhões. Paris ainda conta com a vantagem de ter sido terceira colocada na campanha para sediar o evento em 2008 e de ter provado, na Copa do Mundo de 1998, que tem condições de receber os Jogos. Os altos investimentos não assustam as demais candidatas. Moscou, que promoveu o evento em 1980, aposta em seus mais de 90 estádios e 75 piscinas olímpicas na cidade para provar aos membros do COI que está preparada para receber os jogos. Havana também vem com uma proposta inovadora: dar prioridade aos atletas, e não aos patrocinadores ou eventuais ganhos financeiros. A Turquia apresenta a candidatura de Istabul pela quarta vez consecutiva e acredita que finalmente chegou a vez de ser escolhida para sediar os Jogos. A lista dos candidatos termina com a pequena cidade de Leipzig, situada na ex-Alemanha Oriental e que conta com pouco mais de 400 mil habitantes. Com 18% de desempregados, o governo local aponta que os Jogos criariam 38 mil novos postos de trabalho. A decisão final sobre quem promoverá os Jogos de 2012 será anunciada apenas em julho de 2005, quando todos os locais tiverem sido visitados pelo COI.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.