Começa a temporada de caça a Schumi

Pilotos admitem que querem evitar novo passeio do alemão no Mundial

Livio Oricchio, ENVIADO ESPECIAL, BAHREIN, O Estadao de S.Paulo

13 de março de 2010 | 00h00

ALVO - Schumacher amedronta os rivais, mas minimiza pressão. "São sete (pilotos) me cercando"

A relação, por enquanto, é respeitosa. Há entre seus colegas até quem o considere o melhor, mas a verdade é uma só: não existe piloto na Fórmula 1, hoje, que não deseje vencer Michael Schumacher, sete vezes campeão do mundo, nessa sua volta à competição pela Mercedes. Foi o que ficou claro, ontem, no circuito de Sakhir, onde hoje começam os treinos livres do GP de Bahrein, abertura da 61ª temporada da Fórmula 1.

"Vencer um GP com Michael Schumacher na pista tem maior valor, e todos nós vamos tentar", afirmou Alonso, ontem, sentado ao seu lado, juntos dos outros campeões do mundo que disputam o Mundial, Jenson Button e Lewis Hamilton, da McLaren, mais Felipe Massa, da Ferrari.

Antes de dar o recado a Schumacher, o espanhol afirmou que será "impossível" alguém superar as marcas do alemão. "Olhando os números, vitórias, pole positions, campeonatos, acho que todos nós concordamos: Michael é o melhor de todos os tempos."

Até campeões do mundo em potencial, como o jovem alemão Sebastian Vettel, da Red Bull (que nunca escondeu manter até recentemente em seu quarto um pôster do ídolo Michael Schumacher), também o veem, agora, apenas como adversário: "É um estímulo a mais (derrotá-lo)." Hamilton lembrou nunca ter corrido contra Schumacher. Iniciou sua carreira na Fórmula 1 em 2007 e o alemão a abandonou em 2006. "Com um currículo como o de Michael, todo piloto se sentiria bem em superá-lo."

Com os concorrentes sentados ao seu lado, Schumacher respondeu como encara o desafio de ser o piloto a ser vencido. "Quando eu cheguei à F-1 (em 1991), não tinha certeza de que poderia ganhar de quem já estava aqui e compreendi, depois, que era possível." Naquela época corriam Ayrton Senna, Alain Prost, Nelson Piquet, Nigel Mansell, entre outros. "Não há razão para alguém não se sentir capaz de me vencer, mesmo porque esses pilotos que vão estar no grid domingo são altamente talentosos. Tenho grande respeito por eles."

Michael Schumacher falou mais sobre o que aguarda em seu retorno à F-1, depois de sentir, de perto, que a concorrência quer de toda forma impedir que, aos 41 anos, ele se imponha como fez nos tempos de Ferrari. "Há quatro equipes principais, portanto oito pilotos com chances de vitória. São sete me cercando. Tenho de considerar todos e quatro estão sentados ao meu redor agora." Há um consenso entre os pilotos de que Ferrari, McLaren, Red Bull e Mercedes vão disputar o título prova a prova.

Seria ruim para os sete se Schumacher os vencesse? Alonso respondeu: "Vamos trabalhar muito para impedi-lo de ganhar muitas vezes. Vimos nos testes, porém, que será difícil que uma equipe apenas vença toda corrida." Schumacher ouvia tudo com semblante de quem está pensando: "Espere até a competição começar." O amigo Massa, ou "irmão mais novo", como o chama Schumacher, tocou no seu macacão branco e o lembrou: "Você está muito motivado. Já está usando de novo um macacão."Disse ter ficado sabendo do retorno dalemão no evento de kart que promove em Florianópolis.

O primeiro ensaio do confronto Schumacher x todos será amanhã, na classificação para o grid. Hoje, nas duas sessões de treinos livres, sob calor intenso, as escuderias continuarão a não dar todas as indicações de seu verdadeiro potencial.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.