Comemorações sem dança em respeito ao luto de André

Comemorações sem dança em respeito ao luto de André

Não houve dança nem festa nas comemorações dos gols do Santos. O motivo de as coreografias terem ficado de lado foi o respeito do time à dor de André, que perdeu o avô Roberto Ribeiro Ferreira, sábado, no Rio. O jovem atacante chegou a ser dispensado da partida por Dorival Júnior para acompanhar os funerais, mas pediu para jogar.

Sanches Filho, O Estadao de S.Paulo

29 de março de 2010 | 00h00

"Preferi não ver o meu avô morto. A última lembrança que vou guardar dele é de quando estava vivo", explicou o jogador, que entrou em campo chorando.

No segundo gol, marcado por Paulo Henrique Ganso, os jogadores comemoraram abraçados diante do banco de reservas. E no quinto Neymar entregou a bola para que André cobrasse o pênalti. Desconcentrado, André não bateu bem, mas aproveitou o rebote para marcar. "Pude fazer o gol que o meu avô tinha me pedido. Ele deve estar feliz lá em cima", disse André, muito triste, ao sair de campo.

Mesmo com mais uma goleada, Dorival Júnior tratou de pôr um freio na euforia da torcida. "Sofremos uma forte marcação e o time não repetiu aquilo que vinha fazendo nos últimos jogos", explicou. Segundo o técnico, o objetivo agora é assegurar o 1.º lugar. "Assim, ficaremos em vantagem, o que será fundamental."/

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.