Comitê Olímpico Grego espera por medalha de Marion Jones

Atleta grega, Katerina Thanou, ficaria com medalha de ouro devolvida pela atleta norte-americana

11 de outubro de 2007 | 13h28

Apesar do Comitê Olímpico Internacional (COI) ainda não se definir em relação aos resultados das provas vencidas pela norte-americana Marion Jones, nas Olimpíadas de Sydney, o Comitê Olímpico Helenista disse que irá "aplaudir" se a atleta Katerina Thanou receber a medalha de ouro pela prova dos 100 m rasos.   "Nós não podemos dizer nada oficialmente até que exista a decisão do Comitê Olímpico Internacional. Se a decisão For favorável, é claro que iremos aplaudi-la", disse o presidente do Comitê Olímpico Helenista, Minos Kyriakou.   Thanou deve receber a medalha de ouro pelos 100 m rasos, já que Marion Jones confirmou o uso do esteróide THG durante a competição, em 2000. O curioso é que a atleta grega também está envolvida num escândalo de doping.   Thanou, juntamente com seu namorado, o corredor Costas Kenteris, não compareceram ao teste antidoping na véspera dos Jogos Olímpicos de Atenas, em 2004, alegando que haviam se envolvido num acidente de motocicleta, dentro da vila olímpica. Estranhamente, eles não participaram dos Jogos Olímpicos e foram suspensos por dois anos. Ambos também enfrentam um processo por perjúrio.   Caso seja comprovado que Thanou também utilizava-se de substâncias dopantes nos Jogos Olímpicos de Sydney, a medalha de ouro ficaria com a terceira colocada, Tanya Lawrence, enquanto Merlene Ottey, quarta colocada, ficaria com a prata. Existem uma corrente no COI para que a medalha de ouro de tal prova não seja entregue a ninguém.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.