James Crossan/AP
James Crossan/AP

Comitê organizador pede desculpas à Coreia do Norte

Seleção feminina de futebol se recusou a entrar em campo após trocarem a bandeira do país pela da Coreia do Sul

O Estado de S. Paulo,

25 de julho de 2012 | 18h58

GLASGOW - O Comitê organizador da Olimpíada de Londres pediu desculpas à Coreia do Norte pela gafe política cometida nesta quarta-feira, antes da partida da seleção coreana contra a Colômbia, pela rodada de estreia do torneio de futebol feminino.

"Nós pedimos desculpas ao time e ao Comitê Olímpico nacional. Medidas serão tomadas para que este erro não seja repetido", anunciou o Comitê Olímpico de Londres. A gafe aconteceu no estádio Hampden Park, em Glasgow, na Escócia, que receberá alguns dos jogos do torneio de futebol.

Na apresentação das jogadoras no telão, uma das atletas norte-coreanas teve seu perfil exibido ao lado da bandeira da Coreia do Sul, com quem a Coreia do Norte não tem relações diplomáticas. "A bandeira da Coreia do Sul apareceu no telão ao invés da bandeira norte-coreana. Foi um erro, evidentemente", assumiu o comitê londrino.

O Comitê Olímpico Internacional (COI) evitou se manifestar sobre o caso. Apenas atribuiu a culpa à entidade local responsável pela organização dos Jogos. "Esta é uma questão para os organizadores", afirmou Mark Adams, porta-voz do COI.

A gafe atrasou a partida em uma hora porque as norte-coreanas se recusaram a entrar em campo para o aquecimento. Após vaias nas arquibancadas, os organizadores conseguiram resolver a situação, o que permitiu o início do jogo. A Coreia do Norte venceu a partida por 2 a 0.

Coreia do Norte e Coreia do Sul vivem em situação instável desde o fim da Segunda Guerra Mundial, quando o território foi dividido em dois, na esteira do conflito entre países capitalistas, liderados pelos Estados Unidos, e comunistas, guiados pela então União Soviética. A Guerra da Coreia aconteceu entre 1950 e 1953 e terminou sem um tratado de paz. Apenas um armistício mantém a convivência pacífica entre os dois países.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.