Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

Comitê Paralímpico promete CT no prazo em reunião com Dilma

Centro Paralímpico está sendo construído na zona sul de São Paulo

Estadão Conteúdo

13 de maio de 2015 | 18h45

Em reunião com a presidente Dilma Rousseff, o presidente do Comitê Paralímpico Brasileiro (CPB), Andrew Parsons, prometeu entregar no prazo o Centro de Treinamento Paraolímpico Brasileiro, em São Paulo, e reiterou as metas do Comitê para os Jogos Paralímpicos do Rio de Janeiro, no próximo ano.

"Conversamos muito sobre o Centro de Treinamento Paraolímpico Brasileiro. A presidenta Dilma tem uma expectativa enorme a respeito do Centro e o impacto positivo que ele pode trazer já na preparação da delegação que vai ao Rio, mas também na preparação da delegação que vai a Tóquio, em 2020", declarou Parsons.

O CT começou a ser erguido em setembro de 2013 no Parque Fontes do Ipiranga, zona sul da capital paulista. Com uma área de 61 mil metros quadrados e capacidade de receber 14 modalidades paralímpicas, o Centro tem um custo de R$ 264,7 milhões, divididos entre o governo federal (R$ 145 milhões) e o governo estadual (R$ 119,7 milhões). O terreno foi cedido pelo estado.

A expectativa é de que o CT seja finalizado no segundo semestre deste ano. "A gente vem acompanhando a obra bem de perto e ela está de acordo com o cronograma. Não há atrasos. A obra tem avançado muito rápido e todo o trâmite de financiamento e de construção nessa parceria entre o governo federal e o governo do estado de São Paulo foi feito de uma forma extremamente ágil e profissional", declarou o presidente do Comitê Paralímpico.

O CT é considerado o maior legado do Rio-2016 para o esporte paralímpico nacional. "Faltam detalhes que precisam ser definidos, da gestão do Centro, como vai funcionar no dia a dia, na questão prática, mas a gente já está vencendo uma grande etapa, que é a construção, de acordo com o que foi planejado, e nos melhores padrões internacionais. Estamos construindo um centro que vai estar entre os três melhores do mundo", garantiu.

Parsons também reiterou a meta de terminar os Jogos Paralímpicos na quinta colocação do quadro geral de medalhas. "Anunciamos o sétimo lugar para Londres-2012 e o quinto para 2016. A gente conseguiu o sétimo lugar em Londres e nesse momento da preparação a gente costuma dizer que está exatamente onde quer estar no caminho para 2016. Não quer dizer que será fácil", ponderou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.