Odd Andersen/AP
Odd Andersen/AP

Comitê Rio 2016 repudia críticas japonesas e fará queixa formal

Governador de Tóquio, Shintaro Ishihara, atribuiu escolha da sede dos Jogos Olímpicos a fatores políticos

Reuters

06 de outubro de 2009 | 11h02

O comitê organizador da Olimpíada do Rio de Janeiro em 2016 enviará até o final desta semana uma representação formal ao Comitê Olímpico Internacional (COI) contra o governador de Tóquio, Shintaro Ishihara, que atribuiu a fatores políticos a vitória carioca na disputa para ser sede olímpica. Tóquio, que também pleiteava sediar os Jogos, foi derrotada pelo Rio ao lado de Chicago e Madri.

Veja também:

linkCâmara cria comissão para fiscalizar gastos

linkBandeira olímpica é hasteada na prefeitura

linkBNDES vai financiar turismo para Copa e Jogos

especialRIO 2016 - Mais sobre preparação para os Jogos

especialESPECIAL - Tudo sobre as cidades candidatas

blog BLOG DO GUTERMAN - A Olimpíada será o que dela fizermos

No domingo, Ishihara culpou os acordos políticos de bastidores como os responsáveis pela derrota da candidatura de Tóquio. "A apresentação de Tóquio foi claramente a melhor... Mas houve em jogo uma dinâmica visível. Há muito jogo político nos bastidores", afirmou o governador de 77 anos logo após a vitória do Rio como a primeira cidade sul-americana a sediar os Jogos.

O comitê organizador do Rio disse ter reagido com surpresa ao tomar conhecimento das declarações do governador. "Além de lamentáveis, as declarações estão em oposição às regras determinadas pelo Comitê Olímpico Internacional", afirmou o Comitê Rio 2016 em nota.

A capital japonesa não era considerada favorita uma vez que Pequim, outra capital asiática, sediou os Jogos em 2008. "A cidade do Rio de Janeiro foi eleita por ampla maioria e seu projeto técnico, aprovado pela Comissão de Avaliação do COI", destacou o comitê.

Durante a votação em Copenhague que escolheria a sede das Olimpíadas 2016, Tóquio caiu na segunda rodada, depois que Chicago, uma das favoritas, surpreendentemente foi desbancada na primeira fase da votação.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.