Comitê Rio 2016 tem 140 observadores em Londres

Verificar a oferta e as condições de hotéis, hospitais, restaurantes, registrar cada detalhe das instalações esportivas, como a do acesso de pessoas especiais, analisar a relação do governo local com os dirigentes do Comitê Olímpico Internacional (COI), os cerimoniais e protocolos, ver de perto o funcionamento dos aeroportos, colher dados sobre o trabalho dos voluntários com profissionais envolvidos com a olimpíada. Essas são algumas e poucas das centenas de tarefas de cerca de 140 observadores do Comitê Rio 2016 que já começaram a desembarcar em Londres. Cada um deles vai ter de preparar um relatório sobre temas específicos.

SÍLVIO BARSETTI , ENVIADO ESPECIAL / LONDRES, O Estado de S.Paulo

20 de julho de 2012 | 03h07

São mais de 60 áreas sob responsabilidade do grupo, cuja maior parte já trabalha no Comitê Olímpico Brasileiro (COB). O Estado esteve com três deles, que estão em Londres desde quarta-feira. Não podem se estender e especificar o que vão fazer. O Comitê Rio 2016 promoveu várias reuniões setorizadas na sede da entidade, no Rio, com os observadores. Aposta que essas informações possam servir como um dos documentos mais importantes para a reta final de preparação dos Jogos de 2016.

Muitas ações são feitas em comum acordo com o comitê londrino, que facilita o acesso dos observadores a áreas reservadas. A imprensa não é convidada para acompanhar integrantes do grupo em suas missões. A lista extensa de futuros tópicos do "dossiê" traz itens curiosos, como a qualidade do tecido das roupas vendidas em lojas oficiais do evento ou ainda a facilidade dos visitantes para se deslocar a pequenos mercados e casas que vendem frutas.

Também aborda a comercialização, tamanho e preço, dos mascotes - há um para a Olimpíada e outro para a Paralímpica. Mobilidade urbana e segurança são outros assuntos para o qual o Comitê Rio pediu bastante atenção. São pelo menos oito pessoas para "tratar" das duas questões.

A pontualidade inglesa vai constar do relatório; se realmente está sendo posta em prática nos eventos que antecedem aos Jogos. Serviços gerais, como coleta de lixo, iluminação, telefonia, fazem parte do rol de itens analisados. Há uma equipe de advogados, vinculados ao Jurídico do COB, que passará dias em Londres como que detetives em busca de ações que possam representar "marketing de emboscada" - expressão que, no caso, denuncia o uso de marcas olímpicas por empresas não autorizadas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.