Companhia processa para recuperar dinheiro pago a Armstrong

Ciclista admitiu, recentemente, ter usado doping para competir nos torneios

Juliet Macur, The New York Times

08 de fevereiro de 2013 | 18h30

Uma companhia de seguros que pagou a Lance Armstrong milhões de dólares em bônus por vencer a Volta da França abriu um processo ontem em Dallas para recuperar o dinheiro. Armstrong foi despojado de seus títulos da Volta e admitiu ter usado drogas que intensificam o desempenho em todas suas sete vitórias nessa competição ciclística.

A companhia, SCA Promotions, baseada em Dallas, alegou que Armstrong, seu agente, Bill Stapleton, e a Tailwind Sports, ex-companhia administrativa de Armstrong, devem reembolsar pelo menos US$ 12 milhões porque Armstrong não era mais o vencedor oficial da Volta. A ação afirma também que Armstrong cometeu fraude contra a SCA quando disse, sob juramento, que jamais tinha usado anabolizantes. “Agora todos sabem que Lance Armstrong perpetuou o que pode ter sido a mentira mais descarada, ultrajante e elaborada da história dos esportes”, diz a ação, acrescentando que Armstrong foi “espantosamente impiedoso” quando se tratou de sustentar suas mentiras.

A SCA Promotions pagou Armstrong pela conquista dos títulos da Volta da França de 2002 e 2003, mas retirou um bônus em 2004 por causa de alegações de doping contra Armstrong no livro L.A. Confidentiel: Les Secrets de Lance Armstrong (L. A. Confidencial: Os segredos de Lance Armstrong), publicado na França. Armstrong brigou com a companhia por esse dinheiro.

Em testemunho sob juramento num processo de arbitragem em 2005, Armstrong declarou veementemente que jamais havia se dopado, dizendo repetidas vezes que estava limpo. “Quantas vezes terei de dizê-lo?” ele perguntou. No fim, suas alegações de inocência e a insistência da SCA de que ele era um impostor não importaram. Ele recebeu US$ 7,5 milhões num acerto porque ainda era o vencedor oficial da Volta de 2004.

Tim Herman, um dos advogados de Armstrong, que não retornou ontem um e-mail pedindo comentários, disse que o acerto era final, assinalando que o acordo era específico. Datado de fevereiro de 2006, o acerto dizia “nenhuma parte pode questionar, apelar ou tentar se esquivar” da decisão da arbitragem. Mas, em sua ação, a SCA alegou outra coisa, dizendo que Herman admitiu para árbitros em 2005 que Armstrong reembolsaria o dinheiro se algum dia fosse despojado de seus títulos da Volta. “Não contestaremos isso”, disse Herman aos árbitros, segundo a ação movida ontem pela SCA.

Jeffrey Tillotson, um advogado da SCA, disse que Armstrong e seus representantes na época estavam “confiantes e convencidos” de que Armstrong jamais seria despojado de seus títulos.

“Eles não acharam que isso ocorreria”, disse ele. “Era como se dissessem: 'se vocês encontrarem e trouxerem um unicórnio, é claro que lhes devolveremos o dinheiro'. Para eles, perder aqueles títulos era inimaginável."

Tradução de Celso Paciornik

Tudo o que sabemos sobre:
Lance ArmstrongTour de France

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.