Eddie Keogh/Reuters
Eddie Keogh/Reuters

Compatriotas de Usain Bolt, Blake e Weir são os sucessores da lenda

Os dois jovens velocistas têm 22 anos e disputam em Londres a primeira Olimpíada de suas vidas

O Estado de S.Paulo

10 de agosto de 2012 | 03h03

LONDRES - Usain Bolt chegou aos objetivos que sonhou em sua vitoriosa carreira e sabe que será difícil manter sua hegemonia. Até porque participa ativamente da formação de uma nova geração (já vitoriosa) de velocistas jamaicanos. O bicampeão olímpico e recordista mundial elegeu Yohan Blake e Warren Weir, medalha de prata e bronze dos 200 metros, como os seus sucessores.

Os dois jovens velocistas têm 22 anos e disputam a primeira Olimpíada de suas vidas. Formam uma tríade com Bolt sob o comando do mesmo técnico, Glen Mills, e da mesma equipe, Racers Track Club, baseada em Kingston, capital da Jamaica.

Blake já é conhecido como a "besta'' e foi quem mais seriamente desafiou Bolt neste ano. O velocista teve a "sorte'' de contar com a falsa saída do amigo no Mundial de Daegu, no ano passado, para se tornar o mais jovem campeão dos 100 metros.

Também bateu o mito nas seletivas jamaicanas e chegou a Londres com os melhores tempos do ano nos 100 m e 200 m. Foi ele quem, segundo Bolt, fez soar o sinal de alerta. "Quando perdi para Blake, percebi que poderia não alcançar o meu sonho. Ele fez com que eu reavaliasse coisas'', disse o hoje invencível dono dos 100 e 200 metros.

Blake já havia afirmado, após conquistar a prata nos 100 metros, de que era "o homem mais rápido depois de Usain Bolt''. A veneração pelo colega fica clara, ainda mais depois das tentativas de colocar um contra o outro por causa dos resultados desafiadores desta temporada. "Ele é o deus do atletismo. Fazer essa dobradinha dupla... Estou ao lado de uma lenda! Este momento é o dele, e o meu chegará."

Weir, com o bronze conquistado ontem, tornou-se uma grata surpresa. Nasceu na mesma cidade que Bolt (Trelawny) e nunca participou sequer de um Campeonato Mundial. Estava, claro, estupefato diante da repercussão de seu feito na noite jamaicana em Londres.

"Toda a glória ao nosso país. É um sentimento impressionante ter três jamaicanos no pódio. Não tenho palavras para explicar'', vibrava.

Com um estilo mais deslumbrado, o velocista mandou beijos para a mãe, a noiva, e precisou dar mais detalhes sobre quem é. Disse, por exemplo, que adora futebol. E, para desgosto de Bolt, fanático torcedor do Manchester United, Weir revelou o time para qual torce: "Chelsea''.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.