Divulgação
Divulgação

Confederação de Handebol encerra convênio vitorioso com time austríaco

Hypo Nö, maior campeão da história do handebol europeu, servia como base da seleção feminina

AE, Agência Estado

14 de fevereiro de 2014 | 18h01

SÃO PAULO - A Confederação Brasileira de Handebol (CBHb) confirmou as expectativas e anunciou, nesta sexta-feira, o fim do convênio que tinha com o clube austríaco Hypo Nö, maior campeão da história do handebol europeu, e que servia como base da seleção brasileira feminina, com seis jogadoras e o técnico campeões mundiais no ano passado.

De acordo com a CBHb, a decisão pela não renovação do contrato de convênio, firmado em 2011, se dá pela falta de investimentos por parte do clube austríaco. Nesta temporada, o time foi eliminado na primeira fase da Liga dos Campeões da Europa como terceiro colocado do seu grupo. Enfrentando o Györi, da Hungria, atual campeão europeu e time da brasileira Duda, levou desconcertantes 41 a 22.

"O clube contou com poucas jogadoras nesta última temporada, sobrecarregando as nossas atletas que estão lá. Além disso, com um elenco reduzido, foi impossível fazer com que a equipe se classificasse para as finais da Liga dos Campeões", reclamou o presidente da CBHb, Manoel Luiz Oliveira.

Hoje oito brasileiras atuam pela equipe, sendo seis campeãs mundiais (Babi, Dara, Deonise, Fernanda, Ana Paula e a melhor do mundo Alexandra). As outras duas são jovens revelações para o futuro: Carolline e Francielle. Todas estão liberadas para fechar com outros clubes e deverão seguir na Europa. Babi, melhor goleira do Mundial, já acertou com o Baia Mare, da Romênia, para a próxima temporada.

O fim do convênio, aliás, deve acabar sendo bom para as campeã mundiais. Depois do título, elas ganharam mercado na Europa e poderão receber melhores salários do que os pagos pelo Hypo. O técnico Morten Soubak, que ainda precisa ajustar seu contrato com a CBHb, deve voltar a trabalhar exclusivamente no Brasil.

"Entendemos que a parceria foi um fator importante para o desenvolvimento do handebol feminino até aqui e grande responsável pela conquista da medalha de ouro inédita no Campeonato Mundial. Com isso, estamos avaliando se vale a pena buscarmos outra equipe que tenha interesse em fazer esse acordo e de atender as nossas expectativas", explicou o presidente da CBHb.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.