Fabio Motta/Estadão
Fabio Motta/Estadão

Confederações desenvolvem novo Planejamento Estratégico em programa do COB

Trabalho desenvolvido durante seis meses conta com suporte de três especialistas

Redação, O Estado de S. Paulo

01 de outubro de 2019 | 11h00

Trinta confederações esportivas olímpicas nacionais terminaram o Planejamento Estratégico que servirá de base para o próximo ciclo olímpico, até os Jogos de Paris, em 2024. Elas participaram do programa Gestão, Ética e Transparência (GET), do Comitê Olímpico do Brasil (COB), em um trabalho desenvolvido durante seis meses e que contou com suporte de três especialistas.

"Os resultados para as confederações são muitos, entre eles visão a longo prazo e otimização dos recursos. Principalmente para as novas modalidades olímpicas, o apoio do COB através do GET foi fundamental para o alinhamento de informações, para a transparência e conformidade com os processos éticos, alguns dos pilares administrativos incentivados pelo COB", disse o presidente Paulo Wanderley Teixeira.

Entre as confederações que participaram desta ação estão as de surfe, vôlei, triatlo, ciclismo, esgrima, golfe, hóquei, pentatlo, tênis e desportos no gelo. Os especialistas foram contratados pelo COB, que desde o início do ano estão encarregados de auxiliar no desenvolvimento do planejamento estratégico das entidades.

"Oferecemos conhecimento técnico para que as confederações pudessem definir ou aprimorar o Planejamento Estratégico deles. Você não constrói um atleta de um ano para o outro. É preciso ter todo um acompanhamento de onde você quer chegar a longo prazo para que você defina e implemente ações durante o ciclo olímpico que garantirão que esses resultados sejam atingidos", comentou Paula Neri, gerente do Escritório de Projetos do COB.

Um dado interessante é que das 32 confederações que aderiram ao GET, 30 ampliaram a representatividade de atletas em suas Assembleias e também implementaram um canal de Ouvidoria. Além disso, a maioria definiu um Código de Ética e manteve um Portal da Transparência.

"O GET vem sendo fundamental no processo de autoanálise e, como consequência, indutor no aprimoramento de boas práticas de governança, gestão, ética e transparência na CBGolfe. Neste contexto, encontra-se a relevância do Planejamento Estratégico, que nos possibilita divulgar as principais diretrizes institucionais como a missão, visão e valores, para que todos tenham uma visão única do propósito da organização", afirmou Euclides Gusi, presidente da CBGolfe.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.