Ricardo Bufolin/CBG
Ricardo Bufolin/CBG

Conjunto brasileiro fica em 16º no Mundial de Ginástica Rítmica

É o pior resultado das brasileiras em Mundiais neste ciclo olímpico

DEMÉTRIO VECCHIOLI, Estadão Conteúdo

12 de setembro de 2015 | 12h41

Já classificado para os Jogos Olímpicos por ser dono da casa, o Brasil decepcionou na competição por conjuntos no Mundial de Ginástica Rítmica que está sendo disputado em Stuttgart (Alemanha). Neste sábado, a equipe ficou apenas na 16.ª colocação geral, atrás dos Estados Unidos, rival regional. É o pior resultado do País em Mundiais neste ciclo olímpico.

Depois de uma queda brusca de rendimento no ciclo olímpico que culminou com os Jogos de Londres, o Brasil evoluiu a partir de 2013, renovado. Foi 12.º colocado em Kiev (Ucrânia), em 2013, e 15.º em Izmir (Turquia), no ano passado.

Nos Jogos Pan-Americanos de Toronto, o conjunto brasileiro garantiu o pentacampeonato regional. Depois de mais de 16 anos, entretanto, o Brasil não é mais o melhor do continente. Se em 2013 as brasileiras ficaram duas posições à frente dos EUA e em 2014 um lugar a baixo, em Stuttgart as americanas terminaram três colocações à frente.

Neste sábado, o time composto por Beatriz Pomini, Dayane Amaral, Emanuelle Lima, Francielly Machado, Jéssica Maier e Morgana Gmach e comandado pela técnica Camila Ferezin recebeu 16,041 pontos em sua apresentação com cinco fitas.

Depois, com maças e arcos, o conjunto brasileiro ganhou nota 15,900, chegando a um somatório de 31,941 pontos. Não fosse país-sede, o Brasil teria que superar os EUA para se classificar à Olimpíada. As americanas somaram 32,299 pontos, em 13.º.

No Rio, serão 14 conjuntos competindo. Apenas 16.º colocado no Mundial, o Brasil deve brigar para não ficar em último. Em suas outras participações, foi oitavo em Sydney (2000) e Atenas (2004) e 12.º e último colocado em Pequim (2008). Não se classificou aos Jogos de Londres porque foi apenas 22.º colocado no Mundial de 2011.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.