Conmebol tira vaga e G-4 do Nacional vira G-3

Até 2009, campeão da Libertadores abria vaga para outro representante do país. CBF busca apoio para demover a entidade

, O Estado de S.Paulo

23 de setembro de 2010 | 00h00

O time que falava em chegar ao G-4 do Campeonato Brasileiro imaginando uma vaga na Libertadores vai ter de mudar de planos. A Conmebol anunciou ontem que o Brasil terá cinco representantes na competição continental em 2011: o Inter (atual campeão), o Santos (vencedor da Copa do Brasil) e os três primeiros colocados do Nacional.

No entanto, a CBF tentará reverter a decisão. O presidente da entidade, Ricardo Teixeira, vai se reunir com a cúpula da Conmebol nos próximos dias para discutir o assunto. Teixeira já conversou com diretores da emissora de TV que detém os direitos de transmissão da Libertadores a fim de obter respaldo político para demover a Conmebol. "Fomos pegos de surpresa. Vamos conversar e acredito numa solução", disse Teixeira.

A Conmebol mudou as regras do jogo - antes, se um time brasileiro levasse a Libertadores, por exemplo, o País não perderia as vagas que já tinha direito. Ganharia uma a mais, na verdade. Agora com o título do Inter, o Campeonato Brasileiro só terá três classificados - e o terceiro colocado disputará a pré-Libertadores antes de entrar na sonhada fase de grupos.

A mudança só ocorreu porque a entidade confirmou que o campeão da Copa Sul-Americana terá direito a uma vaga na Libertadores do ano que vem. Assim, quatro brasileiros seguem com chances de classificação: Palmeiras, Atlético-MG, Avaí e Goiás.

As mudanças vão obrigar as equipes a darem um gás maior nesta reta final de Brasileiro. Se a mesma regra estivesse valendo no ano passado, o Cruzeiro, que terminou em quarto lugar, estaria fora da Libertadores deste ano. Assim como o Brasil, a Argentina terá direito a cinco representantes. Bolívia, Colômbia, Chile, Equador, Paraguai, Peru, Uruguai, Venezuela e México terão três vagas cada.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.