Conselho apoia obra de ampliação da Vila para 35 mil

Estádio passará por reformas que o deixarão verticalizado, time jogará mais na capital e preço do ingresso não aumentará

, O Estado de S.Paulo

19 de abril de 2010 | 00h00

SANTOS

A nova diretoria do Santos tem feito de tudo para não bater de frente com seus torcedores. Primeiro, voltou atrás na decisão de aumentar o preço dos ingressos - a medida faria o bilhete mais barato para os clássicos que não forem de fases decisivas chegar a R$ 80. Ao mesmo tempo, confirmou projeto de ampliação da Vila Belmiro, informação que serve também para esfriar os ânimos de parte da torcida que não gostou de saber que o time jogará mais vezes na capital.

"Nossa torcida está muito grande, não dá para acomodar todo mundo na Vila Belmiro. Vamos aumentar o estádio para uns 30, 35 mil lugares", afirmou André de Fazio, presidente do Conselho Deliberativo do Santos e engenheiro. "Estamos encontrando certa dificuldade por causa do arruamento. Mas vamos priorizar a ampliação e o Conselho dará total apoio". O projeto prevê a verticalização da Vila, nos moldes da La Bombonera, do Boca Juniors.

Encantando com seus novos Meninos da Vila, o Santos já adotou o Pacaembu para alguns jogos do Brasileiro. Até os rivais se curvam ao talento dos garotos comandados por Dorival Júnior. "Realmente eles têm uns meninos muito bons. O Neymar e o Ganso merecem estar na seleção", elogiou João Paulo de Jesus Lopes, diretor de Futebol são-paulino. "Como também temos o Hernanes, o Alex Silva e o Miranda", enfatizou o dirigente.

Superstição. Se o diretor se mostrou confiante no desembarque da delegação são-paulina, o presidente Juvenal Juvêncio não fez questão de esconder seu lado supersticioso. Em vez de assistir à partida nas tribunas, o dirigente tricolor preferiu acompanhar o jogo pela televisão, no vestiário, como sempre faz. O costume é levado tão a sério que a antena e o aparelho de TV usados pela diretoria já foram incorporados ao material da delegação. O maior problema foi suportar o forte calor, que chegava a 40 graus. Para deixar o ambiente mais confortável, cinco enormes ventiladores foram instalados no local. / F.H. E S.F.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.