Conselho de Medicina absolve Bernardino

Na avaliação do Conselho Regional de Medicina de São Paulo (Cremesp), Bernardino Santi não cometeu nenhuma falha ética. De acordo com o coordenador da Câmara de Bioética do Cremesp, Reinaldo Ayer de Oliveira, as declarações de Bernardino (segundo as quais Ronaldo teria usado anabolizantes quando jogou no PSV) foram só "opinião e ilação.""O sigilo médico existe apenas se ele fosse o responsável pelo tratamento do jogador", declarou Oliveira ao Estado. "O que não é o caso. Se ele não é médico do Ronaldo, ele pode falar o que quiser", ponderou. "Qualquer outro profissional ligado à área, como um fisioterapeuta ou dono de academia, também poderia emitir sua opinião. Não foi avaliação médica. Foi apenas um comentário."Oliveira, também professor de bioética da Universidade de São Paulo, preferiu não comentar a decisão da CBF de demitir Bernardino Santi. "Essa é uma questão administrativa", afirmou. "Não sei que tipo de contrato eles tinham", ressaltou o médico . "A CBF também demite técnicos, demite outros profissionais."GAFEApesar de Bernardino Santi não ter emitido nenhuma "opinião médica" (e de não poder ser condenado por isso, segundo o Cremesp), suas declarações não foram bem vistas por alguns médicos, que acham que, se não havia provas de que Ronaldo tomou anabolizantes, não havia por que declarar isso em público."O problema", explica um especialista que preferiu não ter o nome revelado, "é que esse tipo de afirmação ganha status de verdade quando proferida por um médico". "As pessoas lêem que ?segundo o médico fulano de tal, a lesão acontece com quem toma anabolizantes?. É o suficiente para ser tomada como verdade. Isso pode prejudicar a carreira do atleta, seus contratos. É algo perigoso."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.