Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

''Constância será a chave para o título'', diz Massa

Além do brasileiro, Raikkonen, Hamilton e Kubica - a surpresa da temporada - brigam pelo primeiro lugar

O Estadao de S.Paulo

19 de julho de 2008 | 00h00

Não importa o resultado da corrida, hoje, no circuito de Hockenheim. Em condições normais, por pior que seja a classificação de Felipe Massa e Kimi Raikkonen (Ferrari), Lewis Hamilton (McLaren) e Robert Kubica (BMW), todos seguirão na luta pelo título, ao menos em função do GP da Alemanha. Massa, Raikkonen e Hamilton estão empatados com 48 pontos e Kubica vem logo atrás, com 46. Os quatro responderam à mesma pergunta relativa à conquista do campeonato e, exceto Kubica, que se diz surpreso com sua colocação, os demais se sentem na briga diretamente. Qual sua chance de ser campeão? Massa é o primeiro: "Não disputei o título, ano passado, porque tive problemas na hora errada, como o abandono em Monza e alguns erros que cometi no começo do ano", diz. "Agora nosso carro é melhor, estou mais experiente e, se continuarmos nesse nível, devo chegar ao final em boa condição de brigar. A constância será a chave para chegar ao título." O companheiro de Massa, Raikkonen, era o grande favorito de 2008. Mas, na prática, as coisas foram diferentes. "O Mundial se ganha na pista" é a resposta, seca, de Raikkonen, quando lhe colocam a questão do favoritismo. No Canadá, Hamilton bateu na traseira da sua Ferrari na saída dos boxes, quebrou o escapamento na França e, em Silverstone, a Ferrari se equivocou na previsão do tempo e não substituiu seus pneus. "Em 2007 as condições eram piores, tinha menos carro e estava bem atrás na classificação. E fui campeão. Agora é só encaixar dois ou três resultados seguidos." O piloto diz acreditar mais no título este ano que em 2007. "Com todas as dificuldades ainda estou em primeiro, não tenho do que reclamar." O mais recente ídolo inglês da Fórmula 1, Lewis Hamilton, também recorda a experiência de 2007 para falar de 2008. "Não fiquei tão abatido como disseram. Era meu primeiro campeonato e acabei vice, o que não é nada ruim", afirma. "Este ano há menos divisão de forças na equipe, o carro é muito bom, talvez não como em 2007, em algumas pistas, e, claro, me sinto mais forte como pessoa e piloto", diz. "Estamos na briga, não há dúvida. O título será de quem errar menos." A surpresa da temporada é o polonês Robert Kubica, da BMW. Com sua vitória no GP do Canadá, chegou a liderar a competição. "Não me sinto candidato a campeão. Nosso carro não tem o nível dos modelos da Ferrari e da McLaren. Há mérito de todos no que conseguimos até agora, mas alguns resultados foram circunstanciais." Para Kubica, suas possibilidades de lutar pelo título serão definidas até a prova de Valência, em 24 de agosto. "Se até lá estiver próximo dos líderes, o que me surpreenderia, talvez tenha chance porque os circuitos a seguir (Spa-Francorchamps, Monza, Cingapura, Fuji, Xangai e Interlagos) não devem ser ruins para nosso carro."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.