Construção do estádio atinge 40% do previsto

Um passeio pelas obras da arena do Palmeiras mostra evolução do trabalho; clube poderá jogar em casa em um ano

DANIEL BATISTA , GLAUCO DE PIERRI, O Estado de S.Paulo

11 de setembro de 2012 | 03h05

Rua Padre Antônio Tomás, número 72, em São Paulo. De lá, uma catraca, uma escada e uma caminhada por baixo de uma surrada arquibancada, em meio a ferros e pilares e em um chão de terra batida. Em pouco tempo, chega-se ao antigo fosso do saudoso Palestra Itália, sem torcedores, mas com operários e caminhões em ritmo acelerado. Mais uma escada e os corredores dos vestiários, por onde tantos craques passaram, se moldam em escritórios de engenheiros e arquitetos. Uma subida pelo túnel e a imagem não sai da cabeça. A nova arena do Palmeiras impressiona.

"As obras estão caminhando bem e estamos trabalhando nos limites dos recursos humanos e de tempo. Sabemos que a torcida está ansiosa e que o Palmeiras está jogando longe de seu estádio e isso faz diferença", disse o executivo.

Nas próximas semanas, a construtora deverá anunciar como será a forma de comercialização dos camarotes, que ocuparão dois andares do estádio - sabe-se que os sócios do Palmeiras terão prioridade. "Eles não serão vendidos, mas sim alugados, como as cadeiras", explica Dezembro.

Em relação à visão de jogo, o torcedor que for na arquibancada ou no camarote pode ficar tranquilo: em cada um dos níveis da nova arena, o torcedor viverá uma nova experiência de se assistir futebol, inclusive atrás dos gols e ainda no restaurante voltado para o gramado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.