Contra-ataque: Palmeiras pede punição a juiz

Clube se diz prejudicado com a expulsão de Felipão e quer árbitro denunciado em 2 artigos. Técnico deve ser julgado

Daniel Akstein Batista, O Estado de S.Paulo

21 de setembro de 2010 | 00h00

O advogado André Sica passou bom tempo na tarde e na noite de ontem analisando a expulsão de Luiz Felipe Scolari no clássico contra o São Paulo, mas o motivo não era preparar a defesa do treinador. O Palmeiras promete contra-atacar e hoje deve entrar com denúncia contra o árbitro José Henrique de Carvalho.

Felipão foi expulso no primeiro tempo do jogo de domingo, no Pacaembu, e o árbitro relatou na súmula da partida que foi ofendido. A reclamação do técnico foi em uma falta cobrada por Marcos Assunção, em que a barreira tricolor não respeitou a distância. "Árbitro de m..., não consegue colocar a barreira no lugar", foi o relatado pelo juiz.

A procuradoria do Superior Tribunal de Justiça Desportiva deve denunciar Felipão ainda nesta semana, mas o Palmeiras deve se antecipar à decisão para pedir punição ao juiz. "A gente estudou que medidas vamos adotar. O Palmeiras se sente prejudicado", disse Sica. "O árbitro relatou uma frase incabível, que nenhuma rádio ou tevê captou."

O clube deve se utilizar de três frentes para conseguir que o árbitro vá ao banco dos réus. Na principal delas, mandará um requerimento de denúncia a Paulo Schmitt, procurador do STJD, além de enviar o mesmo documento à Confederação Brasileira e à Federação Paulista de Futebol. "Queremos que ele seja julgado pelo artigo 266, distorção dos relatos dos fatos, e o 273, quando o árbitro age com abuso de autoridade", explicou o advogado.

Mesmo com Felipão na mira do Tribunal pela segunda vez - ele já foi julgado pela expulsão na vitória de 2 a 0 sobre o Atlético-PR e saiu ileso do julgamento - o Palmeiras se diz tranquilo. "Só vamos começar a ficar preocupados no momento em que ele for denunciado", disse Sica.

Após a derrota no clássico, Felipão não poupou críticas à arbitragem e disse estar sendo perseguido, mas garantiu que não ofendeu José Henrique de Carvalho em nenhum momento. "Ele estava falando comigo e foi expulso. Creio que ele não vai ser suspenso porque não falou nada de errado", contou o atacante Tadeu.

Fora. O jogo contra o São Paulo não foi nada bom para o atacante Ewerthon, que deixou o campo com dores no joelho esquerdo e vai ter de passar por artroscopia. "Existe uma chance de o Ewerthon voltar a jogar neste ano, mas vamos aguardar a cirurgia para depois darmos uma definição sobre quando ele poderá voltar a jogar", disse o médico Otávio Vilhena ao site do clube.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.