Contra o Brasil, formação será cautelosa

JOHANNESBURGO

, O Estado de S.Paulo

23 de junho de 2010 | 00h00

O técnico português Carlos Queiroz ficou satisfeito com o rendimento de sua seleção na goleada de 7 a 0 sobre a Coreia do norte, mas, mesmo assim, estuda fazer mudanças na equipe para o jogo contra o Brasil, sexta-feira, em Durban. A intenção do treinador é adotar um esquema mais precavido para enfrentar o adversário que considera um dos mais fortes da Copa.

Queiroz revelou seus planos ontem, em rápida conversa com jornalistas depois do treino realizado na Bekker High School. "Preciso pensar bem o que teremos de fazer frente ao Brasil", disse. "Estamos discutindo o aperfeiçoamento para a próxima fase e os jogadores que temos disponíveis para o restante da competição."

Para ele, não são apenas três pontos que estarão em disputa na partida em Durban. Com Portugal virtualmente classificado às oitavas de final, vai brigar agora pelo primeiro lugar no Grupo G e para que os jogadores se sintam ainda mais fortalecidos psicologicamente. "É uma partida importante que pode nos dar ainda mais inspiração, confiança, ambição e, sobretudo, inteligência", disse Queiroz.

O treinador não deu muitas pistas das mudanças que pretende fazer. Mas é praticamente certo que Deco continuará fora. Além de ele ainda sentir dores musculares na perna direita, seu substituto, Tiago, foi um dos melhores de Portugal contra os norte-coreanos. Deco foi ontem a uma clínica de Johannesburgo fazer ressonância magnética para avaliar o grau da lesão.

Como pensa em montar um time mais cauteloso, o mais provável é que Queiroz tire um atacante e reforce o meio-campo. Simão deve dar lugar a Duda, que, além de lateral-esquerdo, sabe jogar como volante. Pepe também tem chances, mas dificilmente suportaria atuar durante os 90 minutos. / A.L.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.