Contratos individuais são inviáveis

Um clube pode negociar individualmente a transmissão de seus jogos, se quiser. O problema é que contratos isolados não são um bom negócio nem para as agremiações nem para as emissoras. São, na prática, inviáveis, pois a Lei Pelé proíbe a exibição por televisão de uma partida se isso não estiver de acordo com as partes envolvidas.

, O Estado de S.Paulo

25 de fevereiro de 2011 | 00h00

Ou seja, se um clube assinar com uma emissora de TV e outro optar por fechar com uma concorrente, o jogo entre eles não será transmitido, a não ser que clubes e redes entrem em acordo, o que não parece provável. Assim, caso haja divisão, uma emissora só transmitiria partidas envolvendo os clubes que tiver sob contrato. A outra faria o mesmo com seus aliados.

Resta saber se, do ponto de vista financeiro, seria um bom negócios, como apregoam.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.