Copa tem maior escândalo de doping desde o caso Maradona

Cinco norte-coreanas foram flagradas em exame por uso de esteroides; Japão e EUA decidem hoje o título

, O Estado de S.Paulo

17 de julho de 2011 | 00h00

FRANKFURT

A Fifa anunciou ontem que mais três jogadoras da Coreia do Norte que disputaram a Copa do Mundo feminina da Alemanha testaram positivo para esteroides - no início do mês, outras duas atletas haviam sido flagradas pelo mesmo motivo. A final do torneio, entre Estados Unidos e Japão, será hoje, às 15h45.

Trata-se do maior escândalo de doping em competições da Fifa desde que, em 1994, o argentino Maradona foi pego num teste na Copa dos Estados Unidos.

"É chocante, estamos diante de um caso muito contundente, e isso dói", afirmou o presidente da Fifa, Joseph Blatter. Autoridades norte-coreanas dizem que a substância foi ingerida acidentalmente por meio de contaminação de plantas medicinais.

A Coreia do Norte foi eliminada na primeira fase do Mundial após perder para EUA e Suécia e empatar com a Colômbia.

Depois do duplo caso positivo de doping, a Fifa seguiu normas internacionais e decidiu testar o resto da delegação. O tipo de esteroide encontrado nas amostras é inédito, e a Fifa pediu ajuda a técnicos da Agência Mundial Antidoping., O caso agora será apreciado pelo comitê executivo da entidade, mas as jogadoras estão suspensas preventivamente.

No campo. O Japão que decide o título contra os Estados Unidos hoje tem uma responsabilidade a mais: a Ásia jamais conquistou um torneio adulto da Fifa - o continente tem um único troféu, de um Mundial sub-17 ganho em 1989 pela Arábia Saudita.

As japonesas quase tiveram de abrir mão de disputar o evento por causa do terremoto seguido de tsunami e crise nuclear que abalou o país no início do ano.

Campeãs em 1991 e 1999, os EUA tentam reconquistar a hegemonia na modalidade, perdida para a Alemanha, atual bicampeã e que, em casa, acabou eliminada nas quartas de final. Se levantar o troféu, os EUA serão os maiores vencedores da história da Copa do Mundo feminina.

Ontem, na disputa do terceiro lugar, a Suécia bateu a França por 2 a 1.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.