Reuters
Reuters

Coreia pode mudar regra para permitir ida de campeão a 2016

Park Tae-Hwan, ouro em Pequim, foi envolvido em caso de doping

Estadão Conteúdo

26 Março 2015 | 12h33

O Comitê Olímpico Sul-Coreano revelou nesta quinta-feira que considera facilitar as suas regras de elegibilidade para os atletas participarem de competições internacionais, o que daria ao campeão olímpico de natação Park Tae-Hwan uma chance de se classificar para os Jogos Olímpicos de 2016 no Rio.

A organização está analisando se a sua regra que proíbe atletas suspensos por doping de competir pela seleção nacional por mais três anos após o término de suas penas é injusta ou excessiva, disse Park Dong-Hee, membro do comitê.

Park Tae-Hwan, que venceu a prova dos 400 metros livre nos Jogos Olímpicos de Pequim, em 2008, foi suspenso por 18 meses pela Federação Internacional de Natação (Fina) na última segunda-feira após testar positivo para testosterona em um exame fora do período de competição.

A regra atual do comitê sul-coreano, que passou a vigorar no ano passado, impede Park Tae-Hwan de competir no Rio. A punição da Fina começou, retroativamente, no dia do teste, no início de setembro, e termina em 2 de março de 2016.

"Nós nunca iremos mudar nossas regras pelo interesse individual de um atleta, mas é verdade que a suspensão do Park Tae-Hwan provocou um debate sobre se a regra é juridicamente adequada", disse Park Dong-Hee.

Os comitês de competições e disciplinares vão discutir a regra antes do conselho de administração da organização tomar uma decisão sobre ela, em um processo que normalmente leva cerca de três meses, acrescentou.

Park Tae-Hwan é o único nadador sul-coreano que possui uma medalha olímpica, sendo um dos atletas mais populares do país. O caso de doping danificou a imagem do nadador. Ele perdeu as seis medalhas que conquistou no ano passado nos Jogos Asiáticos, realizados na cidade sul-coreana de Incheon. Após o evento, o centro aquático que sediou as provas passou a ter o nome do nadador.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.