Corinthians, 1500 vezes no Pacaembu

Time atinge marca histórica, hoje à tarde, no duelo contra o ABC

O Estadao de S.Paulo

30 de agosto de 2008 | 00h00

O Corinthians tem motivos de sobra para passar fim de semana de festa. Assim que seus jogadores pisarem o gramado do Pacaembu, para enfrentar o ABC, a partir das 16 horas desta tarde, estará confirmada uma marca histórica - o time completa 1.500 jogos no estádio municipal, que a torcida considera sua verdadeira "casa". Mesmo que seja apenas por coincidência, o duelo faz parte das comemorações do 98.º aniversário do clube mais popular do Estado e fundado em 1.º de setembro de 1910 no Bom Retiro. Acompanhe a partida onlineA relação do Corinthians com o Estádio Paulo Machado de Carvalho começou em 28 de abril de 1940, dia da fundação. O time fez a partida de fundo, contra o Atlético-MG, e venceu por 4 a 2. (Na preliminar, o Palmeiras goleou o Coritiba por 6 a 2.) Aquela foi a primeira das 844 vitórias no templo paulistano do futebol. Segundo levantamento do jornalista e historiador Celso Unzelte, o alvinegro empatou 354 jogos e perdeu 302.SEM FOLGAA data é significativa - por isso, a ordem no Parque São Jorge é não baixar a guarda contra o ABC, 27 pontos e apenas na zona intermediária. O técnico Mano Menezes não dará folga aos titulares do líder da divisão de acesso, embora mais uma vez não deva contar com Dentinho, que se recupera de contusão."Ele não foi poupado", avisou o treinador, depois do treino de ontem. "Só não entrará em campo porque ainda não tem condições ideais e não quero forçar."O ataque não é problema. A alternativa, escolhida sem desgaste, foi a permanência de Morais ao lado de Herrera. Ambos se entenderam bem nos 5 a 0 sobre o Gama, na terça também no Pacaembu, e iniciam o jogo desta tarde. Morais, recém-chegado do Vasco, mereceu elogios de Mano, mas sem exageros. "Ele cumpriu o que queríamos", observou. "Mas é cedo para ter uma posição definitiva sobre ele." Bom jogo de cena.Mano aguarda também o encerramento da janela de transferências na Europa - até o início da noite de segunda-feira, para saber de fato com quem poderá contar até o final da temporada. No meio de muita especulação, houve sondagem por André Santos e Chicão. O técnico admite que a ansiedade mexe com os jogadores. "Essa movimentação faz um pouco de estrago", reconheceu. "Mas conversei com os atletas diretamente envolvidos e lhes mostrei que atuam em um clube importante e que têm compromissos a honrar. Eles compreenderam."Mano tem um admirador no rival: Ferdinando Teixeira, técnico do ABC. Ele diz que o Corinthians joga "à holandesa", por ter atacantes que não ficam fixos. "É um time que se mexe muito."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.