Corinthians: 18 reservas no clássico

Mano poupará jogadores contra o Santos pensando na Copa do Brasil

Fábio Hecico, O Estadao de S.Paulo

30 de maio de 2009 | 00h00

Com o Vasco na cabeça a todo momento. É a ordem de Mano Menezes para os titulares do Corinthians. O respeito aos cariocas - o jogo de volta será contra o Vasco, na quarta-feira - é tão grande que o treinador vai poupar o elenco principal no clássico com o Santos, domingo. Serão 18 reservas na Vila Belmiro. Acesse e acompanhe ao vivo os jogos deste sábado do Brasileirão "Mas a importância do clássico é a mesma", garante o comandante alvinegro. "Na verdade, esses titulares não vão entrar porque estão sem condições, sequer têm como fazer um jogo forte." O treinador diz que o acúmulo de desgaste pôde ser visto no empate por 1 a 1 com o Vasco no Maracanã. William, André Santos (que está indo para a seleção brasileira), Cristian, Dentinho e Jorge Henrique nem apareceram nos trabalhos no Parque Ecológico, ontem. Ficaram no Parque São Jorge em tratamento de lesões. Felipe, Alessandro e Douglas apenas correram em volta do campo, enquanto Chicão e Elias tiveram de "quebrar o galho" para completar os times no coletivo. "Usar todos os reservas contra o Santos é correr um risco maior, mas não temos outro caminho a seguir. E não é transferência de responsabilidade", analisa o técnico, ciente de que a falta de ritmo e entrosamento serão os grandes problemas. Sem Diego, suspenso, o time não terá zagueiros no banco. A defesa terá Jean e Renato. O jogo também marca a primeira ausência do goleiro Felipe. Júlio César fará sua estreia no ano, após 34 partidas na reserva. "Estou preparado. Esperei muito por isso e espero fazer um grande jogo", diz o goleiro.Para compor o banco de reservas, o meia Jadson, campeão da Taça São Paulo em janeiro, foi promovido aos profissionais.QUE ATAQUE É ESSE?Se o retrospecto se mantiver, a defesa do Santos terá uma grande moleza no clássico de amanhã, na Vila. Mano Menezes vai optar por Souza e Lulinha na frente, a dupla do "quase" - são quatro gols de Lulinha em 83 jogos e três de Souza em 21. A formação escolhida por Mano prova o pouco prestígio de Otacílio Neto, que não ganhará a chance de iniciar a partida, mesmo com um time inteiramente reserva.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.