José Patrício/AE - 2/9/2010
José Patrício/AE - 2/9/2010

Corinthians adota discurso otimista

Jogadores ressaltam que competição ainda não está definida e aprovam eventual mala branca para o Guarani

Fábio Hecico, O Estado de S.Paulo

30 de novembro de 2010 | 00h00

Erguer a taça por antecipação, ou com facilidade, não faz parte da história corintiana. As conquistas do Corinthians sempre ocorrem no sacrifício, algumas com gols nada habituais e depois de enorme dose de sofrimento. Caso o time conquiste o Brasileiro no domingo, mais uma vez a festa será feita após superação: vitória diante do Goiás e tropeço do Fluminense contra o rebaixado Guarani. A dificuldade para erguer a taça se transformou em combustível para os jogadores, que aproveitaram a folga de ontem para demonstrar confiança em papo com a torcida via Twitter.

Veja também:

linkExame aponta melhora e Ronaldo eleva chances de jogar

linkWilliam defende mudança de postura contra 'corpo mole'

"Tudo para nós é mais sofrido, vamos para a última rodada para fazer a nossa parte e com chances de título", escreveu o Fenômeno Ronaldo, que deve passar por exame nesta manhã para ver se a pequena lesão muscular cicatrizou e ele terá chances de atuar no domingo. O atacante fez muita festa com os gols da equipe domingo, diante do Vasco, no Pacaembu (2 a 0), e agora espera ajudar em campo. "Ninguém dá nada para o Corinthians. Tudo aqui é conquistado na raça", diz o craque. Vale lembrar que o Guarani já prejudicou a vida do Corinthians num empate por 0 a 0 recentemente e, no primeiro turno, bateu o Fluminense, em Campinas, por 2 a 1.

O desempenho dos cariocas contra paulistas em seu estádio também serve para elevar o moral alvinegro. O líder do Campeonato Brasileiro não conseguiu superar as equipes de São Paulo como mandante. Perdeu para Corinthians (2 a 1) e Santos (3 a 0) e empatou com São Paulo (2 a 2), Palmeiras e Prudente (ambos por 1 a 1). "Esta semana é decisiva e importante. Eu sou brasileiro e não desisto nunca", publicou o goleiro Júlio César, definindo-se como "corintiano, maloqueiro e sofredor".

O volante Elias, que não encarou o Vasco por estar suspenso, seguiu o discurso de "retroceder nunca, render-se jamais". "Parabéns à equipe... Três pontos (contra o Vasco) e ainda na briga, lutaremos até o fim."

Ganhar no Serra Dourada não significa o título, mas garante o segundo lugar ao Corinthians, o que evitaria a repescagem da Libertadores com o representante 3 da Colômbia.

Vale o incentivo. Mesmo com o presidente Andrés Sanchez falando grosso e assegurando que o Alvinegro "não tem caixa 2 e não mandará incentivo ao Guarani" para tirar pontos do Fluminense, os jogadores não veem problemas em aposta na mala branca. "O que não se pode é pagar para perder. Não vejo problema nenhum em dar um incentivo para promover o espetáculo. Muitas coisas no futebol brasileiro precisam ser repensadas", disse o capitão William, aprovando a conduta. "É claro que não será o dinheiro que vai fazer o Guarani vencer. A mala é secundária. O que incentiva o atleta é jogar futebol", completou.

O atacante Dentinho também não vê problemas. "Se for para incentivar o Guarani a ganhar, vale. O que não pode é para perder. Não acho legal entregar jogo."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.