Corinthians aposta no roxo para pintar o sete

Time usa terceiro uniforme hoje, diante do Brasiliense, em Taguatinga, na busca de seu sétimo triunfo seguido, algo que não acontece desde 2001

Fábio Hecico, O Estadao de S.Paulo

16 de setembro de 2008 | 00h00

O terceiro uniforme do Corinthians, lançado na campanha "todo corintiano é roxo", no início no ano, não caiu nas graças da torcida uniformizada e estava encostado no clube. Só havia sido utilizado em abril (2 a 0 sobre o Fortaleza). Hoje, após ganhar enquete no site do clube, a camisa roxa volta a ser vestida, às 20h30, diante do Brasiliense, num dia em que a equipe pode, após 7 anos, emplacar série de sete vitórias seguidas.Sucesso de vendas, com mais de 110 mil peças negociadas em seis meses, a camisa roxa havia virado motivo de piadas. Por isso, a Gaviões da Fiel fez um manifesto, reprovando sua utilização. Deve ser usada hoje e depois virar artigo de colecionador. Até o fim do ano, o clube vai lançar outra camisa, com fotos de torcedores, para comemorar o acesso à Série A. O terceiro uniforme recebeu 52,58% dos 13.350 votos no site do clube, numa enquete sobre qual camisa devia ser utilizada. O zagueiro e capitão William, sempre sereno e com ar conciliador, tenta mostrar para os torcedores contrários que a camisa não arranhará as tradições do clube. "Eles não precisam temer, achando que a roxa ficará à frente das cores tradicionais. Isso é um equívoco", observa. "Ela é e sempre será nosso terceiro uniforme, como acontece com clubes da Europa. Não chega para ficar", diz.Aproveita, ainda, para revelar algo interessante sobre o uniforme. O torcedor comum está apaixonado por ele. "Sempre que me encontram, me pedem uma camisa roxa. Ela é bonita, todos gostaram no elenco."Principalmente Rincón, substituto de Douglas hoje. Sem começar uma partida desde a decisão da Copa do Brasil, em junho, ele fez um gol diante do Fortaleza, quando o time venceu jogando de roxo. O outro foi de André Santos, vice-artilheiro do time no ano, um gol atrás do argentino Herrera (17 a 16)."Jogar de roxo é legal. Só não podemos entrar achando que já ganhamos, senão vamos perder", pede seriedade e comprometimento o técnico Mano Menezes.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.