Evelson de Freitas/AE
Evelson de Freitas/AE

Corinthians dá vexame e sai vaiado

A expectativa da torcida era pela conquista do título simbólico de campeão do primeiro turno, mas o Figueirense acabou com a festa e venceu por 2 a 0

Fábio Hecico, O Estado de S.Paulo

21 de agosto de 2011 | 00h00

A palavra título parece mexer com o Corinthians. Fracassou no Campeonato Brasileiro de 2010, perdeu a final do Paulista deste ano e ontem não teve forças para ganhar o primeiro turno do Nacional. Bastava vencer o Figueirense, no Pacaembu, para o líder virar a fase no topo. Mas a equipe jogou mal, sem brilho e saiu de campo derrotada: 2 a 0.

Numa noite em que, mais do que a taça simbólica, valia para o Corinthians abrir seis pontos sobre o vice-líder Flamengo, as fortes vaias no fim do jogo mostram que a sintonia com a torcida está prestes a acabar.

Tite foi bastante ofendido. Alguns o acusaram de não saber mexer. Outros optaram pelo tradicional "burro." Também os jogadores Chicão, Alessandro e Danilo foram xingados.

O resultado negativo, contudo, não tira o Alvinegro da liderança nesta rodada. Porém, jogou no lixo a gordurinha recuperada na tabela com a rodada perfeita no meio de semana. Agora, o Corinthians terá de passar na torcida contra os principais candidatos ao título neste domingo.

Derrotas de Flamengo, São Paulo e Vasco, algo pouco provável hoje, ainda garantiriam antecipadamente o título do turno. Mas o que os corintianos mais querem é a volta da segurança defensiva e da objetividade ofensiva, que ficaram pelo caminho nestes últimos jogos.

O Corinthians soma 42 dias sem saber o que é vencer num fim de semana. Desde o dia 10 de julho, quando fez 1 a 0 no Atlético-GO. O turno ainda não acabou e, em casa, já foram oito pontos desperdiçados. No campeonato de 2010 foram apenas 10.

A garoa fina e o frio de 12 graus na capital paulista foram um adversário a mais para as duas equipes. O campo molhado, escorregadio, foi bastante sentido pelos corintianos, acostumados aos toques de primeira. Como não houve aquecimento no campo, a toda hora era possível ver alguém patinando - até os garotinhos que entram em campo com o time sofreram com o piso escorregadio.

Nada que justificasse, contudo, o baixo futebol apresentado nos primeiros 45 minutos. Sem velocidade e demonstrando uma certa preguiça, o Corinthians pouco ameaçou o gol de Wilson. O lance que mais mexeu com a torcida foi uma bola na trave em falta de Chicão.

Apático no ataque, com o canhoto Danilo sofrendo aberto na direita e o destro Weldinho cambaleando na esquerda, o líder pouco fez e viu Wellington abrir o placar aos 34 minutos.

No intervalo, Tite resolveu optar por Emerson. A tática que deu certo diante do Atlético-MG (virada para 3 a 2 depois de 0 a 2), contudo, desta vez não teve o mesmo resultado.

O time até melhorou. Mas gol, que é bom, apenas do outro lado. Pittoni definiu aos 46 do segundo para revolta dos corintianos que quase lotaram o Pacaembu.

O Corinthians encerra sua participação no primeiro turno apenas no dia 28, diante do arquirrival Palmeiras, em Presidente Prudente. Enquanto isso, o oponente terá de encarar o Vasco, na quinta-feira, pela Copa Sul-Americana, na qual tem desvantagem de 2 a 0 e, teoricamente, não teria como poupar os titulares, algo bom ao líder do Nacional.

Para o dérbi, no qual entrará pressionado, o técnico Tite ainda poderá contar com todos que participaram da derrota de ontem, já que Emerson e Castán, os pendurados, passaram ilesos. Ainda deve ganhar o retorno do lateral-esquerdo Ramon.

Boas notícias para o Corinthians tentar, enfim, quebrar o tabu diante do Palmeiras na cidade do interior. Lá, foram três jogos nos últimos anos, com uma derrota e dois empates.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.