Corinthians e MP selam acordo por estádio em Itaquera

O principal entrave para o início das obras do novo estádio do Corinthians finalmente vai ser solucionado. A Prefeitura de São Paulo informou no início na noite desta quinta-feira a definição da minuta do Termo de Ajustamento de Conduta (TAC), que envolve ainda o clube e o Ministério Público, referente à concessão do terreno em Itaquera, na zona leste da capital paulista.

ALMIR LEITE, Agência Estado

29 de abril de 2011 | 11h06

Além de construir o estádio, o Corinthians vai dar contrapartidas sociais à cidade equivalentes ao valor de R$ 12 milhões, para poder usufruir do terreno que pertence ao município. O próximo passo agora é assinar o acordo, o que deve ocorrer nos próximos dias.

O TAC é necessário para que as licenças que viabilizam a construção sejam concedidas. A ação do MP deve-se ao fato de o Corinthians não ter cumprido o acordo de concessão, de 1988, em que se comprometia a construir um estádio em cinco anos.

A Odebrecht quer iniciar as obras agora em maio, mesmo sem ter obtido ainda o financiamento de R$ 400 milhões da linha de crédito do BNDES. A reportagem procurou a construtora, que não quis se pronunciar, mesma posição do promotor José Carlos de Freitas, que no início da semana dissera que a contrapartida seria de pouco mais de R$ 6 milhões.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.